3 dicas essenciais para trabalhar em Berlim, na Alemanha

3 dicas para Trabalhar em Berlim

Alemanha  / 

Berlim é a cidade das start-ups. Por lá, as equipes são geralmente internacionais – formadas por funcionários de diversas nacionalidades que são responsáveis pela atuação da empresa em diferentes países.



3 dicas para trabalhar em Berlim

Mas como conseguir um lugar nesse mercado sendo brasileiro? A Babbel, uma das empresas mais famosas da cena tech de Berlim, dá 3 dicas essenciais.

Se você desejar trabalhar em Berlim, pode ser legar consultar o Berlin Startup Jobs, um site que reúne vagas de trabalho em várias start-ups da capital alemã. Frequentemente surgem posições específicas para falantes de português do Brasil.

Outra opção é ficar de olho nos sites das empresas que trabalham com o mercado brasileiro. O aplicativo de idiomas Babbel é um deles.

1. Há vagas para brasileiros que querem trabalhar em Berlim

A empresa foi fundada na capital alemã há dez anos e, hoje, possui 450 funcionários de 39 nacionalidades nos escritórios de Berlim e Nova Iorque.

Na sede berlinense, 12 profissionais brasileiros tornam possível o ensino de 14 idiomas a partir do português brasileiro, além de produzirem conteúdos e criarem campanhas adaptadas para o país.

Veja em baixo a lista de outras empresas internacionais em Berlim.

2. Falar alemão ou inglês é importante

Falar alemão é importante para trabalhar em Berlim, sim. Principalmente para alugar apartamento e resolver burocracias, como plano de saúde e questões de visto.

Os Dienstleister (prestadores de serviços de nível técnico, como encanadores, recepcionistas e profissionais de enfermagem) e os funcionários do Ausländerbehörde (escritório de imigração) muitas vezes não falam inglês – o que pode tornar a vida de qualquer estrangeiro um inferno.

Qual a língua que devo aprender?

No Brasil, escolas de alemão são mais caras do que as de inglês. No entanto, se o curso tradicional não couber no orçamento, a Babbel é uma alternativa. O aplicativo oferece cursos on-line de alemão elaborados especialmente para brasileiros e acessíveis tanto a partir do PC quanto do smartphone. Além disso, o app é o único feito por linguistas e educadores.

Para trabalhar em Berlim em uma start-up, o inglês ainda é o idioma mais importante. Contudo, o alemão é um diferencial até mesmo quando se trata de vaga para brasileiros. “Falar inglês é essencial.

Mas o curioso é que, no fim das contas, o meu diferencial foi falar português e conhecer o mercado brasileiro”, conta Thiago Azevedo, 40 anos, CRM Manager da Babbel. “Muitas start-ups em Berlim estão tentando entrar nesse mercado. Assim, profissionais de Marketing que falam português acabam conseguindo bons empregos por aqui”.

Você pode conferir também 7 dicas para quem quer morar fora.

3. Obter visto para trabalhar em Berlim

Provavelmente as entrevistas serão todas on-line e conduzidas enquanto você ainda estiver no Brasil. Isso porque os brasileiros devem tirar o visto de trabalho na Embaixada da Alemanha no Brasil antes de viajar. Resumindo, nem tente ir para Berlim primeiro para depois procurar trabalho.

Fizemos um guia sobre os tipos de vistos para estudar na Alemanha.

Um estágio internacional pode ajudar a encontrar vagas

A AIESEC (Association Internationale des Étudiants en Sciences Économiques et Commerciales) é uma alternativa para estudantes e recém-formados.

A gaúcha Thaís Brizolara, 30 anos, foi para Berlim em 2013 fazer um estágio pela associação. Na época, ela fazia pós-graduação em Marketing e trabalhava como Headcount da Dell.

Durante o estágio (limitado a 12 meses), ela aproveitou para procurar outras vagas em Berlim: “Comecei a fazer buscas no Linkedin e em sites sobre vagas em start-ups. Depois de 6 meses, fui contratada pela empresa onde ainda trabalho. Hoje, sou Senior Account Manager na Glispa”.

Agora que você já sabe mais sobre trabalhar em Berlim, veja o que escrevemos sobre fazer um intercâmbio.

COMPARTILHE

Erick é luso-brasileiro, aos 21 anos mudou para a Europa e dedica parte do seu tempo para ajudar outros brasileiros realizarem o sonho de viver na Europa. Mora atualmente em Portugal, trabalha com tecnologia e é fundador da Euro Dicas.