Programa Ciência sem Fronteiras será congelado

Bolsa de estudo  / 

Diante da falta de recursos, que levou o governo Dilma a enviar ao Congresso um Orçamento com deficit em 2016, o Palácio do Planalto decidiu congelar a oferta de novas bolsas do programa Ciência sem Fronteiras no próximo ano.

Segundo a Folha apurou, o orçamento definido pela equipe econômica para o programa no próximo ano, no total de R$ 2,1 bilhões, é suficiente apenas para a manutenção de estudantes que já estão no exterior.

A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) informou que os recursos previstos serão utilizados para "custear 13.330 bolsas entre graduação e pós-graduação" em 2016 sob a sua responsabilidade.


O CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), outra agência federal de fomento à pesquisa, terá recursos para outros 22.610 benefícios.

Ao todo, no segundo semestre deste ano, ambas vão enviar 14.050 bolsistas de graduação, principal público do programa, respondendo por 79,5% das bolsas concedidas. Esse grupo foi selecionado a partir de editais divulgados no ano passado.

Assessores da presidente Dilma Rousseff afirmam que o governo chegou a cogitar uma redução ainda mais drástica no programa, mas a ideia foi descartada diante do efeito negativo que a medida poderia provocar no câmbio.

Em comparação ao orçamento deste ano (R$ 3,5 bilhões), os recursos do Ciência sem Fronteiras em 2016 terão corte de 40,3%. Um percentual acima disso implicaria na interrupção dos estudos de quem já foi selecionado e embarcou para uma universidade no exterior.

Lançado em julho de 2011, o programa se tornou uma das principais bandeiras da presidente Dilma na educação. Após abertura de 101 mil vagas até o ano passado, o compromisso para o segundo mandato foi criar mais 100 mil bolsas.

O preço do dólar, no entanto, elevou os custos do Ciência sem Fronteiras, que tem desembolsos não apenas com pagamento de benefícios para os alunos como para as instituições de ensino superior que acolhem os brasileiros.

Se em julho de 2011 o dólar era cotado a R$ 1,55, neste mês o câmbio está próximo de R$ 3,70. Até o momento, não há data definida para o lançamento de novos editais de seleção, neste ano, de bolsistas para graduação. No ano passado, o processo seletivo começou já em agosto.

A expectativa agora é que, caso o governo libere verba adicional para o programa no ano que vem, o foco prioritário sejam estudantes da pós-graduação. Questionado sobre esse tema, a Capes não respondeu.

A agência informou que "todos os programa do MEC estão mantidos" em 2016. "O ministério está realizando uma análise detalhada do orçamento para dimensionar os programas para o próximo ano", disse em nota.

Fonte: Folha de S.Paulo

COMPARTILHE

Erick é luso-brasileiro, aos 21 anos mudou para a Europa e dedica parte do seu tempo para ajudar outros brasileiros realizarem o sonho de viver na Europa. Mora atualmente em Portugal, trabalha com tecnologia e é fundador da Euro Dicas.

Posts Relacionados

Ter a oportunidade de estudar na Europa já não é um sonho tão distante quando se tem diversos...

O Ministério de Relações Exteriores e Desenvolvimento Internacional da França anunciou nesta semana...

A vontade de melhorar o currículo e estudar fora é o sonho de muitos brasileiros. Se você se...