Uma das dores frequentes durante o processo migratório é lidar com a saudade dos entes queridos e amigos próximos. Mesmo com a distância, os impactos familiares podem influenciar significativamente a vida do imigrante. Não é possível deixarmos completamente para trás a vida que levávamos no Brasil, levamos conosco em nossas bagagens a nossa história, memórias e sentimentos diversos. Ainda assim, há quem precise imigrar sem apoio da família.

O suporte ou a ausência desse apoio pode moldar a experiência de mudança de país, tornando mais fácil ou difícil a decisão e os sentimentos do imigrante. Por isso, é crucial considerar como preparar a família e compreender os possíveis impactos que essa decisão pode ter sobre você.

Por que o papel da família pode influenciar a jornada do imigrante?

O papel da família é fundamental em qualquer momento significativo de nossas vidas, e por isso não seria diferente no momento de início da imigração. A rede familiar frequentemente atua como um suporte emocional, proporcionando conforto, estabilidade e ajuda durante as fases de adaptação e transição.

Além disso, as dinâmicas familiares podem influenciar a resiliência do imigrante, impactando de maneira positiva ou negativa o seu bem-estar psicológico.

No entanto, é importante reconhecer que nem todas as famílias funcionam em perfeita harmonia. Como seres humanos, carregamos imperfeições e emoções complexas, o que pode levar a reações e comportamentos imprevisíveis. Conflitos familiares e falta de apoio podem representar desafios adicionais na vida de um estrangeiro.

A família representa o nosso primeiro contato com o mundo, sendo a nossa base para a construção da nossa identidade, valores e relações sociais. A partir dela, desenvolvemos referências de como nos conectar com outras pessoas e construir laços com diferentes culturas.

Para um imigrante, saber que pode confiar na família e manter uma relação harmoniosa, mesmo à distância, pode tornar o seu processo de adaptação cultural mais leve.

Quais impactos isso pode gerar?

É normal que os imigrantes se preocupem com o bem-estar dos seus parentes no Brasil, questionando se terão uma rede de apoio confiável e se dependem financeira ou emocionalmente deles, especialmente quando se trata de familiares mais velhos.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é a Wise. É seguro, rápido e fácil de utilizar.

Ver Cotação →

Essa é uma preocupação comum, porém, uma família em desequilíbrio emocional pode se tornar um peso adicional na vida do imigrante, que já está enfrentando outros desafios.

Apesar das incertezas que possam surgir ao morar no exterior, a família pode desempenhar um papel fundamental ao oferecer afeto e acolhimento, mesmo estando longe, servindo como uma válvula de escape, que encoraja o estrangeiro a continuar seguindo os seus sonhos.

No entanto, quando a família não consegue fornecer esse apoio, pode gerar sensações de estresse e preocupação excessiva. Se essas emoções não forem devidamente processadas, podem afetar a saúde, causando consequências como:

  • Problemas de sono;
  • Mudanças de humor, incluindo ansiedade e irritabilidade;
  • Dificuldade de concentração;
  • Taquicardia;
  • Alterações no peso;
  • Dor crônica ou muscular;
  • Imunidade baixa;
  • Cansaço excessivo.

Por esse motivo, é importante que o imigrante reflita sobre o estado da sua saúde emocional no Brasil, pois a mudança não garantirá a resolução dos seus problemas. Eles podem seguir em qualquer lugar do mundo.

Se esse tema interessa a você, confira também a coluna “Vivo no exterior e me sinto preso emocionalmente ao Brasil: e agora?”.

Como preparar a família para sua mudança?

Antes de informar a sua família sobre a decisão de imigrar, é essencial ter clareza sobre o que espera deles: se busca pelo apoio ou simplesmente quer comunicar a decisão tomada.

Se a intenção é obter apoio, um caminho interessante seria trabalhar uma abordagem de comunicação positiva e clara, explorando temas relacionados aos os seus desejos e sentimentos.

É fundamental ser ouvido e também ouvi-los para garantir uma conversa produtiva, criando um espaço para que a família possa expressar como se sente em relação a sua decisão, possibilitando uma troca de afetos e fortalecimento de vínculos.

Este pode ser um momento para ambas as partes refletirem sobre os seus receios e buscarem soluções para se adaptarem a essa nova dinâmica familiar. Mas para isso, é necessário comunicar claramente suas expectativas para a família, para evitar maus entendimentos.

Manter o contato com a família ao imigrar em importante
A família, mesmo que de longe, pode ajudar nos momentos difíceis e incentivar o sonho do imigrante.

Se o objetivo é simplesmente comunicar a sua escolha de se mudar sem permitir interferências ou imigrar sem apoio da família, é essencial demonstrar firmeza e estabelecer claramente os seus limites.

É comum que pessoas próximas tentem influenciar em decisões desse tipo, e impor limites pode ser desafiador, isso demanda energia e pode gerar sentimentos desconfortáveis, como culpa ou tristeza.

No entanto, em certas circunstâncias, é preciso cortar o cordão umbilical e desvincular-se emocionalmente da família para perseguir os próprios sonhos de forma independente. Isso é uma parte natural da vida e do crescimento do ser humano.

Cortando o “cordão umbilical”

Cortar o cordão umbilical implica em separar ou se libertar de uma dependência emocional ou financeira, geralmente em relação a sua família. Isso não significa romper os laços e viver isolado. Esse movimento é saudável, pois é quando reconhecemos nossa individualidade e capacidade de fazer escolhas, sem impedir que mantenhamos relações com quem amamos.

É um período bastante doloroso e pode causar sentimentos conflitantes, mas ao optar viver no exterior é crucial aprender a se sustentar sozinho. Embora a família e os amigos possam nos oferecer suporte, na rotina do dia a dia é você quem enfrenta esse desafio. Esse processo de individualização é fundamental para o seu amadurecimento e construção de uma identidade em um novo país.

Relacionamento consigo mesmo

Ter bons amigos e o apoio da família é ótimo, porém, antes disso, é importante cultivar um relacionamento sincero e saudável consigo mesmo. Isso pode tornar a sua jornada de imigração mais leve, já que você sempre terá a sua própria companhia. Conhecer os seus sentimentos e a sua individualidade é essencial para alcançar as melhores formas de lidar com situações difíceis e estressantes.

Enfrentar problemas familiares durante o processo de imigração pode ser extremamente desafiador, mas não deve ser impedimento para que você siga os seus sonhos. Se isso estiver impactando na sua saúde mental e qualidade de vida, não deixe de buscar ajuda profissional.

Essas situações podem despertar sentimentos difíceis de compreender e, por isso, o espaço da terapia pode te trazer inúmeros benefícios. Pode ajudá-lo a equilibrar as suas necessidades individuais com as emoções relacionadas a sua família, permitindo que você viva de forma mais tranquila no exterior.