Portugal não está entre os cinco maiores produtores de azeite do mundo (fica ali entre o sexto e o oitavo lugar, dependendo da safra), mas teve uma produção recorde em 2021, com quase 2,3 milhões de hectolitros (mais ou menos 230 milhões de litros). E o que eu tenho a ver com isso? Por que falo do azeite em Portugal? Talvez o fato de não passar um dia sem “azeitar” a goela possa explicar alguma coisa.

Azeite e Portugal

Nunca consumi tanto azeite quanto nesta minha etapa de vida portuguesa. Que me perdoem a soja, o girassol, o milho, o gergelim, o coco, mas óleo para mim é o que sai da prensa das azeitonas.

Nem sei se é correto abrir mão dos outros ou praticamente dar exclusividade para o bom e velho azeite, mas vai em tudo, sem muito critério para os virgens, os extra virgens ou os mais “simples”: desde “chuchar” o miolo do pão com um pouquinho de sal, passando pelo refogado da cebola e do alho, pelas sopas, pelos ovos fritos, bifanas, até, claro, para cobrir a bela bacalhoada.

Eu certamente puxo para cima o consumo per capta português, que é de aproximadamente sete litros por ano (era de pouco mais de 2,5 litros nos anos 1990).

Na verdade, acho que estou mais para os gregos, que consomem cerca de 15 litros por ano. Pensando bem, será que não gasto uma embalagem daquelas de dois litros por mês? Devo empatar, então, com a população de San Marino, que encara cerca de 24 litros por ano!

Liderança espanhola

A liderança mundial na produção está com os espanhóis, o que é fácil de confirmar quando a gente dirige pelas estradas da Andaluzia. Esses dias fiz praticamente uma rota das azeitonas, saindo de carro pelo Alentejo, a região que mais produz azeitonas em Portugal, entrando na Espanha, onde percorri centenas de quilômetros margeados pelas oliveiras. É um espetáculo.

E quando chegamos às cidades, sempre tem um empório com grandes vidros repletos de azeitonas de todos os tipos, mergulhados no azeite, com temperos, especiarias, recheadas, com caroço, sem caroço.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Quer morar em Portugal legalmente e com segurança?

Recomendamos a assessoria da Madeira da Costa, uma sociedade de advogados experientes para auxiliar na sua solicitação de vistos, autorização de residência, cidadania e outros trâmites. É da nossa confiança.

ENTRAR EM CONTATO →

De Portugal para o mundo

Mas deixando minha overdose de lado e o encantamento com as grandes plantações de oliveiras, azeite aqui em Portugal é realmente um bem importante. E não só pelas divisas que traz para o país e pelo dinheiro que movimenta internamente. Azeite tem história.

Há oliveiras milenares em Portugal que ainda produzem azeitonas (há uma secular linda, numa praça em Guimarães, no norte de Portugal, que não à toa se chama Largo da Oliveira).

Oliveira na praça em Guimarães
Em Guimarães, onde fica o Largo da Oliveira, existe uma loja especializada em azeites biológicos.

Dizem que as árvores vieram e se espalharam pelas mãos dos árabes e romanos (a palavra tem como origem o vocábulo árabe “az-zait”, que é algo como sumo de azeitona). E daqui ganharam o mundo graças, principalmente, às embarcações portuguesas e espanholas.

O Brasil, aliás, é o maior mercado para as marcas portuguesas embaladas. Quase um terço das exportações de Portugal vai para o Brasil. Ou seja, não há um mercadinho brasileiro que não tenha uma marca portuguesa de azeite nas gôndolas.

Posso dizer que minha mudança para cá exigiu – e ainda exige – uma série de adaptações e ajustes. Mas nenhuma delas está relacionada com o azeite. Neste quesito, sinto-me em casa, consumindo as marcas praticamente “brasileiras”.

Mais respeito, sou virgem

Vez ou outra lembro daquela piada em que o filho pequeno pergunta para os pais, na mesa do restaurante, o que é ser virgem. Constrangimento dos adultos, que se olham e começam a imaginar como abordar o tema de uma maneira que não choque a criança.

Começam pela cegonha, passam pela sementinha, pelo namoro, até que, já quase desesperados, questionam o motivo da pergunta. E o pequeno responde rápido: queria saber porque está escrito no vidro de azeite…

Pois é, o azeite, como sabemos pode ser virgem, aliás, extra virgem! Sem entrar muito no tecnicismo, a produção de azeite se enquadra em um regulamento da UE (UE 1308/2013), que define o que é um azeite virgem, por exemplo.

Os virgens são aqueles em que as azeitonas não tiveram contato com algum tratamento além da lavagem, decantação, centrifugação ou filtração. E são obtidos unicamente por processos mecânicos ou outros processos físicos que não alterem o produto.

Qualquer outra forma de obtenção (por exemplo, com ajuda de solventes ou processos químicos) tira a “virgindade” do azeite.

O virgem é, portanto, apenas o sumo das azeitonas. E uma vez virgem, eles podem ganhar a classificação de extra virgem, caso tenham determinada acidez e outras características de sabor, conforme estipulado no regulamento.

Quem não é o maior, tem que ser o melhor

Quando se quebra o mercado por tipo de azeite, ou seja, os virgens, extra virgens etc, Portugal assume a liderança mundial proporcional na produção do “topo de linha”. Os virgens e extra virgens representam cerca de 95% da produção portuguesa. Em outros importantes países produtores, essa fatia fica nos 70%.

Digam se tenho ou não bons motivos para consumir o azeite local? Pode comprar uma marca chique ou aquelas embalagens grandes de marcas próprias de supermercado sem susto (aliás, é o que faço). Um extra virgem de “marca branca” não deixa nada a desejar.

Garrafas de azeite em Portugal
Aqui a “coleção” de azeites consumidos no momento. Foto: Marcos Freire

Mas claro que pelas minhas andanças pelo Alentejo, por exemplo, eu sempre dou um jeitinho de comprar um vidrinho daquele produtor local, que produz poucos, mas excelentes azeites. Costumo ter sempre alguns vidros de azeite em casa, de diferentes viagens.

Ano bom, ano ruim

A empolgação que tive com essa mega safra de 2021 diminuiu um pouco quando aprendi que existe uma “contrassafra”, ou seja, é mais ou menos comum intercalar anos de muito boa produção com anos de quebra nos volumes.

Segundo os especialistas neste setor, a nova produção nacional pode apresentar redução de 30% a 40%, puxada também pela seca do período anterior. E isso ajuda a explicar porque o preço tem subido.

Como consumidor assíduo e “pesquisador informal” de preços no mercado, sei que a embalagem que eu comprava antes, de três litros, custava 15€. Agora passou para 18€. Ou seja, a “minha” inflação do azeite ficou em 20%.

Entidades setoriais confirmam que as vendas de azeite no mercado interno de Portugal caíram 14% em 2022, na comparação com o ano anterior. E o preço, sem dúvida, é um dos causadores da queda.

Os produtores dizem que os aumentos do preço do azeite na origem já ultrapassam os 50%, considerando os principais custos da operação, embalagens e logística. Mesmo reduzindo margens, a expectativa é que não mude muito em 2023 e, portando, o consumo seja impactado.

Contem comigo

Apesar de vivermos essa “contrassafra”, do aumento de custo geral, dos preços subindo, quero deixar aqui a minha mensagem aos produtores: não vou abandonar vocês! Se estiverem lendo esse artigo, saibam que posso investir menos no detergente da máquina de lavar louça, mas não abro mão do meu extra virgem!

Leia também as colunas do Marcos sobre os doces portugueses e o café em Portugal.