A gastronomia, as encantadoras ruelas, a moda vibrante. O charme que banha a cultura francesa é incontestável e, para alguns, isso parece bastar. Mas França não é só Paris, nem só boa comida, fachadas haussmanniens e alta costura. Quais são os fatores a considerar para avaliar a qualidade de vida na França?

A qualidade de vida na França é boa?

Sim, a qualidade de vida na França é boa, e você vai descobrir as razões a partir de indicadores de economia, seguridade social, saúde e segurança pública: tudo o que deve ser levado em consideração ao avaliarmos as condições de um país. Isso é particularmente importante se o seu objetivo ao cair nesse texto é encontrar elementos que te ajudem a tomar a decisão de se mudar para a terra de Godard.

Vamos conhecer juntos alguns dos aspectos para entender como é morar no país: assistência médica, ensino, segurança, poder de compra, qualidade X custo de vida, cidades com melhor qualidade de vida, comparação com outros países europeus e com o próprio Brasil.

Saúde na França

A França leva a saúde muito a sério. Para se ter uma ideia, dados de 2019 (o mais recente publicado pelo Banco Mundial) indicam que a França investe 11,06% do seu Produto Interno Bruto em saúde.

Em termos dos países membros da Europa, esse montante só fica atrás da Alemanha, que reverte 11,70% do PIB para essa finalidade. A título de curiosidade, o Brasil aplica 9,59% em saúde, mas seu PIB é praticamente a metade do francês. A estimativa de vida na França é de 83 anos.

Saúde pública e saúde privada

Todos os habitantes contribuem obrigatoriamente com o sistema de saúde universal francês (como se fosse o nosso SUS) a partir de um mecanismo chamado Assurance Maladie – uma parte dos seus rendimentos são automaticamente direcionados para este plano de saúde básico, gerido pelo Estado. Em contrapartida, o governo reembolsa cerca de 80% dos gastos de saúde dos franceses.

Os outros 20% devem ser custeados pelos beneficiários do sistema, seja com desembolsos próprios ou a partir de seguros privados e complementares, conhecidos como mutuelle. Embora a contratação de assistências privadas não seja obrigatória, a mutuelle é praticamente onipresente.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é a Wise. É seguro, rápido e fácil de utilizar.

Ver Cotação →

Você deve se perguntar: se eu for pra França, terei direito à assistência? Depende de sua condição. Se você estiver legalmente no país, seja na condição de estudante (consulte o link da Ameli) ou empregado, sim!

Agora, caso você esteja apenas passando férias ou de visita, é obrigatório possuir um seguro de viagem que cumpra os requisitos do acordo de Schengen. Você pode utilizar nosso comparador de seguro de viagens para encontrar o melhor preço.

Não negligencie a pandemia

Mas, e a COVID-19? Na data desta publicação, cidadãos brasileiros vacinados podem viajar para a França desde que cumpram os requisitos informados pela Embaixada da França:

Apresentação de comprovante do status de vacinação

Conforme a Embaixada, para que o esquema de vacinação seja considerado completo, “as pessoas de 18 anos ou mais que desejam entrar no país devem ter recebido uma dose de reforço de uma vacina de RNA mensageiro no prazo máximo de nove meses após a aplicação da segunda dose ou da dose única” – isto é, 3 doses de vacina, com um reforço de uma vacina de RNA mensageiro, como a Pfizer.

É recomendável emitir o documento pelo site do Conecte SUS, que permite o download do certificado bilingue (português e inglês).

Documento de “compromisso de honra” (Engagement sur l’honneur)

O viajante deve preencher o documento, disponível para download neste link, atestando não apresentar sintomas de COVID-19 e não ter tido contato com pessoas que testaram positivo para a COVID-19. Para viajantes não vacinados, é recomendável consultar o site da Embaixada para garantir o acesso às últimas informações.

Caso queira ir mais fundo no assunto Saúde, confira esse post especial sobre saúde na França.

Educação na França

Estudar na França é o desejo de muitos brasileiros, e a boa notícia é que esse é um plano passível de ser realizado. Seja na graduação (license) ou na pós (master, doctorat), as universidades francesas (universités) são de excelência e estão abertas pra te receber!

Mas lembre-se: dependendo do curso, o francês é mandatório e deve ser comprovado com um certificado de proficiência em nível B2 (DELF, DALF ou TCF), enquanto para outros, o inglês pode ser suficiente.

No caso da graduação, grande parte das candidaturas dos brasileiros são realizadas pelo site da Campus France, que além de publicar regularmente oportunidades de bolsas, gerencia o processo de pré-inscrição a partir da elaboração da documentação inicial, um procedimento conhecido como DAP Dossier Blanc (Demande d’Admission Préalable Blanc).

A maioria das universités está “plugada” ao banco de dados da Campus France, facilitando o processo de candidatura. Caso a universidade que você busca não esteja associada à ferramenta, o pedido de inscrição deve ser transmitido diretamente para a universidade de interesse.

Depois, com o processo de ingresso acertado, você deve consultar os procedimentos pré-consulares para obtenção do visto adequado à sua partida. Todo o processo é realizado pela Campus France Brasil, e em português.

Dicas para pós-graduandos

Se você for estudante de pós-graduação (master ou doctorat) e quiser partir para cá para usufruir da qualidade de vida na França sob um esquema de cotutela internacional, é possível realizar os trâmites diretamente entre sua universidade de origem, chamada em francês de Universidade Piloto, e a universidade de acolhimento.

As démarches administrativas, no caso das cotutelas, devem ser checadas junto ao Escritório de Relações Internacionais da sua universidade de origem.

Seja para a license, master ou doctorat, o ensino na França é pago e os valores devem ser consultados nos sites das universités. Mas, a título de informação, as taxas anuais calculadas pela Campus France começam em 2770 euros para as licenses e 3770 euros para o master.

Os valores para doutorado começam em 380 euros por ano. Você pode consultar editais de bolsas de estudo na plataforma Campus Bourses, gerida pela Campus France. Tenha em mente que tudo é possível se você está realmente a fim de dizer au revoir, Brésil para estudar na França e dar um salto no currículo!

Segurança na França

Por ser o país mais visitado por turistas no mundo, segundo a Organização Mundial do Turismo, a França tem uma preocupação constante com a segurança dos seus habitantes e visitantes. Os dados mais recentes compilados pelo Fórum Econômico Mundial mostram que em 2018 a França recebeu a visita de astronômicos 89 milhões de pessoas. Proteger a todos é uma tarefa e tanto.

Mas, mesmo com toda essa afluência de visitantes, a sensação de segurança no país é invejável. A França detém nota 8,1 no Índice de Segurança medido pelo relatório Better Life publicado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Para efeitos de comparação, o Brasil registra índice de 1,9, enquanto a Noruega ocupa a primeira posição, marcando 9,9 pontos.

A OCDE é uma organização internacional, com sede em Paris, que reúne 35 países (dentre os quais a França), e é composta majoritariamente por economias desenvolvidas e outras emergentes, como Coreia do Sul, o Chile, o México e a Turquia – o Brasil foi formalmente convidado a ingressar na OCDE.

Pessoa caminhando pelas ruas de Paris, França
Níveis elevados de sensação de segurança favorecem coisas simples, como passeios sozinhos pelas ruas

O mesmo relatório indica que 74% dos franceses sentem segurança em andar sozinhos à noite pelas cidades, um indicador valioso quando comparado à situação brasileira, em que apenas 44,78% dos habitantes demonstram segurança. O índice de homicídios na França é de 0,4 a cada 100 mil habitantes; no Brasil, esse número salta para 19 para cada 100 mil habitantes.

As forças de segurança na França

Na França, as forças de segurança são compostas pela Gendarmerie Nationale e pela Police Nationale. A Gendarmerie é responsável tanto por missões militares (daí ser possível fazer um comparativo com a Polícia Militar no Brasil) quanto pelas atividades de segurança pública dos civis.

A Police Nationale tem praticamente as mesmas atribuições, mas seus servidores são geralmente alocados em áreas muito populosas e grandes centros urbanos, enquanto a Gendarmerie normalmente monitora áreas de médio porte e rurais.

Caso você esteja na França e precise de apoio policial, médico ou contra incêndios, acione os serviços correspondentes:

  • Urgências médicas: 15;
  • Polícia: 17;
  • Bombeiros: 18;
  • Urgências (número SMS): 114;
  • Em alto-mar: 196;
  • Ao redor da Europa: 112.

Economia na França

Vamos falar de dinheiro sem entrar no economês? A França é a quinta maior economia do mundo, um status que tem se mantido há bons anos. Isso significa que em 2020, apesar dos pesares, seu PIB bateu 2.6 trilhões de dólares, um número que a posiciona no TOP 3 europeu, ficando atrás apenas da Alemanha e do Reino Unido.

A balança comercial francesa é equilibrada e a taxa de desemprego, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Estudos Econômicos (Insee), caiu para 7,4% no quarto trimestre de 2021. É uma das taxas mais baixas da OCDE.

Combinados, esses fatores econômicos se traduzem em estabilidade, inflação controlada e maior poder de compra para a população. A realidade pode ser ligeiramente diferente em cidades com forte vocação turística, mas em linhas gerais, os franceses têm muitas razões para estarem satisfeitos.

Poder de Compra

Conforme o Ministério da Economia e das Finanças francês, o poder de compra (pouvoir d’achat) refere-se à quantidade de bens e serviços que a renda pode adquirir. O poder de compra está diretamente associado ao nível de renda do indivíduo e ao nível de preços das mercadorias. “A variação do poder de compra corresponde, portanto, à diferença entre a variação do rendimento das famílias e a variação dos preços”, diz o texto.

Desde 1 de janeiro de 2022, o valor do salário mínimo ou Smic (Salaire minimum interprofessionnel de croissance) bruto mensal é de 1.603,12 euros baseado em uma jornada de 35 horas. O valor líquido, no entanto, fica na casa dos €1.269 por mês pois há descontos em folha de pagamento, como aquele da Assurance Maladie de que falamos acima.

Existe a tentação de fazer uma comparação simples entre os salários mínimos recebidos entre um país e outro, então faremos para explicar por que essa conta não fecha. O salário mínimo no Brasil em 2022 está em R$1.212 reais, enquanto o da França (vamos calcular pelo valor líquido) está em €1.269.

Avenida na França ao anoitecer
Uma das principais redes de supermercados na França, Monoprix, próximo ao Moulin Rouge (Imagem: Erik Nardini)

A diferença é pequena – apenas 57 “dinheiros”. Mas os 1.212 dinheiros do Brasil compram as mesmas coisas que os 1.269 dinheiros franceses? Vejamos dois produtos cujos preços mundiais são tabelados:

Perfume Chanel No. 5 100 ml

  • França: €119 (Sephora, convertido com euro comercial no valor de R$5,55 em 4/3/22 = R$660,37);
  • Brasil: R$1.150 (Chanel Brasil, convertido para euro comercial no valor de R$5,55 em 4/3/22 = €207,23).

Na França, trabalhadores que recebem um salário mínimo gastam 9,3% para comprar um Chanel No. 5; no Brasil, o mesmo perfume custa 94% do salário mínimo.

Apple iPhone 13 128Gb

  • França: €909 (convertido com euro comercial em 4/3/22 = R$5.044,36);
  • Brasil: R$7.599 (convertido para euro comercial em 4/3/22 = €1.369,35).

Na França, o iPhone custa 71,6% de um salário mínimo; no Brasil, o mesmo aparelho custa o equivalente a 6,23 salários mínimos.

É por isso que a comparação simples entre salários é pouco eficiente para demonstrar a real dimensão entre o poder de compra entre profissionais de países diferentes. No Brasil, os mesmos produtos vendidos na França custam muito mais em relação aos rendimentos mínimos dos trabalhadores.

Dois sites são bastante recomendados pelo Euro Dicas por serem ótimas opções para fazer diferentes comparações com outras cidades e países:

Custo de vida influencia qualidade de vida na França

O custo de vida, seja na França ou fora dela, é uma conta que não tem resposta única. Depende de fatores como a cidade na qual você decide morar (e, dentro da cidade, o bairro ou quartier escolhido), seus hábitos de consumo, de lazer, se você é do tipo que prefere cozinhar ou pedir comida por aplicativos, se utiliza transporte público ou individual.

O Euro Dicas preparou um post muito completo sobre custo de vida na França, então aqui vamos nos concentrar no assunto moradia – o calcanhar de Aquiles dos expatriados! A tabela abaixo mostra as diferenças de valores entre o aluguel em Paris, a charmosa cidade da luz, e Toulouse, uma cidade agradável no sudoeste francês.

Número de quarto e localização do apartamento Paris Toulouse
Apartamento T1 no centro da cidade 1.260,44€ 656,42€
Apartamento T1 fora do centro da cidade 883,54€ 513,21€
Apartamento T3 no centro da cidade 2.711,26€ 1.266,67€
Apartamento T3 fora do centro da cidade 1.857,63€ 919,23€

Para não se perder nas terminologias: T0 normalmente se refere a apartamentos do tipo studio, em que tudo é organizado dentro de um mesmo ambiente. T1 refere-se a apartamentos com um quarto; T2, com dois quartos e assim sucessivamente. Em Paris, os imóveis mais caros ficam “dentro dos muros”; os imóveis situados fora dos muros, frequentemente chamada de banlieue, são mais baratos.

O custo de vida – categoria aluguel, em cidades menos centrais, é muito mais barato! Mas atenção: morar em cidades menores pode custar menos, mas lembre-se que as possibilidades de trabalho, compras, saúde e transporte podem ser ligeiramente mais complexas.

Vale a pena gastar menos com aluguel e ter de depender do transporte particular? Quanto custa adquirir e manter um carro? Em que fase da vida você está: ativa (construindo sua carreira e, consequentemente, seu patrimônio) ou de desfrute (engatando sua aposentadoria)? Essas perguntas poderão balizar sua escolha e certamente facilitarão sua decisão.

Cidades maiores custam mais, mas oferecem mais oportunidades de trabalho, lazer, compras. Vilas menores, às vezes, podem ser menos assistidas por grandes comércios e redes de transporte, mas se beneficiam de tranquilidade e custos mais baixos.

Cidades com melhor qualidade de vida na França

Segundo levantamento da plataforma Numbeo, a França ocupa a 26ª posição entre os países com a melhor qualidade de vida, com um Indice de Qualité de Vie (IQV ou índice de qualidade de vida) de 156,65. A Suíça está em primeiro lugar, com IQV 195,27 e o Brasil ocupa a 65ª posição, contabilizando um IQV de 107,04.

Dentro do hexágono, por sua vez, as cidades com as melhores posições de qualidade de vida são Lyon, ocupando a classificação 48 dentre outras cidades famosas do continente europeu, e Paris, classificada na posição 74 dentre as vilas pesquisadas pela Numbeo.

O Índice de Qualidade de Vida é uma estimativa da qualidade de vida geral que se baseia em diversos medidores socioeconômicos, incluindo o índice de poder aquisitivo, índices de poluição (quanto menor, melhor), o preço do mercado imobiliário em relação à renda da população, índice de custo de vida (menor, melhor), segurança, saúde, tempo gasto em deslocamentos e clima.

A matemática por trás desses indicadores oferece um bom panorama para fazer escolhas mais conscientes.

Gostou de saber tudo sobre a qualidade de vida na França? Se você sonha em viver no país, esperamos que esse texto tenha ajudado a esclarecer alguns pontos importantes! Antes de fazer as malas, compartilhe o conteúdo com os amigos e confira o ebook Euro Dicas – O sonho de viver na Europa para descobrir mais conteúdos valiosos!