O clima agradável durante o ano todo e as praias paradisíacas são apenas alguns dos fatores que atraem os brasileiros que sonham em morar em Malta. Além da busca por qualidade de vida, o arquipélago atrai muitas pessoas que querem aprender inglês em um local não tão caro e com muito a oferecer.
Se você sonha em morar em Malta, não pode perder este artigo. Saiba como estudar ou trabalhar no arquipélago, custo de vida, processos legais, além de contar a experiência de quem já morou por lá.

Tudo sobre morar em Malta

Malta está entre os melhores países para estrangeiros morarem e atrai milhares de pessoas que buscam um lugar agradável para viver. Repleto de belezas naturais, comida saudável e com um jeito calmo de se viver, não faltam motivos para morar no país.
Muitos buscam o arquipélago para estudar inglês, já que é uma língua falada no país. Enquanto outros, vão em busca de um trabalho e têm como objetivo se estabelecer no local.
Para saber como morar em Malta e entender um pouco mais sobre essa experiência, conversei com o Luis Gustavo Santos, que foi para o país para estudar inglês. Luis morou em Sliema e estudou em St. Julians, que são cidades vizinhas.  Essas são as duas principais cidades de Malta, junto com a capital Valetta.

“O país é um ótimo local para se viver na Europa, falando inglês, usando Euro e com um clima amistoso para brasileiros, mesmo no inverno. É uma combinação única que você só vai encontrar em Malta”, ressalta Luis Gustavo.

Veja a seguir, um pouco mais sobre dois caminhos para morar em Malta: para estudar ou trabalhar.

Estudar inglês em Malta

Quando pensam em estudar inglês na Europa, a maior parte dos brasileiros logo pensa na Inglaterra ou na Irlanda. Mas saiba que Malta tem se tornado cada vez mais popular para quem busca um intercâmbio para aprender inglês.
O valor do curso de inglês costuma ser inferior ao da Inglaterra e muito parecido com o da Irlanda, com a vantagem de ser um local de mais fácil adaptação para os brasileiros. Além disso, Malta sai na frente da Irlanda quando falamos no custo de vida.
Para fazer intercâmbio e estudar inglês em Malta, o processo costuma ser simples, como conta Luis Gustavo:

“Foi muito tranquilo. O país, por depender do turismo, ainda tem uma política de vistos muito mais acessível que outros lugares de língua inglesa. Também tem escassez de mão de obra, o que estimulou permitir que estudantes trabalhem. Até 90 dias de permanência não precisa de visto, como é em todo o Espaço Schengen”.

Os idiomas oficiais do arquipélago são o maltês e o inglês. Algumas pessoas também falam italiano, pela proximidade das ilhas com a Itália e pelo contexto histórico. Para estudar inglês em Malta, é preciso escolher o curso e providenciar a documentação, como visto e seguro viagem. Você pode ter o auxílio de uma empresa de intercâmbio ou fazer por conta própria todo o planejamento.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →

Trabalhar em Malta

A permissão de trabalho para os estudantes em Malta foi liberada em 2018. Isso facilitou e atraiu muitas pessoas, o que fez com o que os valores de moradia aumentassem também. O estudante que deseja trabalhar em Malta precisa dar entrada no pedido de visto 20 dias após sua chegada no país.
Com o visto de estudante, poderá fazer a solicitação da permissão de trabalho. Porém, só poderá começar a trabalhar de fato depois dos primeiros 90 dias. A permissão é para 20 horas semanais de trabalho e tem um ano de validade. Funciona como uma ajuda de custo para os estudantes se manterem no país.
O visto de trabalho para qualquer estrangeiro só é emitido para quem tem um emprego garantido. O empregador precisa comprovar que deseja efetivar a contratação para que o visto seja liberado. Também é possível obter este visto se você for casado com um cidadão europeu, ou tiver o passaporte europeu.
Tudo sobre morar em Malta
Malta oferece mais oportunidades de emprego do que outros países praianos do Mediterrâneo como Itália e Croácia. Porém, alguns requisitos são essenciais para que os brasileiros tenham chance de conseguir um emprego no país e o primeiro deles é ter ao menos o inglês intermediário.
Além dos empregos gerados pelo turismo, existem alguns trabalhos que podem ser preenchidos por estrangeiros altamente qualificados, especialmente nas áreas com maior demanda no país que são Tecnologia da Informação (TI), Engenharia e, raramente, Saúde. O salário oferecido em Malta ainda é baixo comparado ao resto da Europa e isso reflete no custo de vida, sendo um dos países mais baratos da zona do Euro.

Como conseguir emprego em Malta

Em Malta é permitido trabalhar até 40h semanais e realizar, no máximo, oito horas extras por semana. O trabalhador tem direito a quatro semanas de férias, e não é preciso esperar 12 meses para tirá-las.
Um fato interessante é que fins de semana e feriados não entram nos dias de férias, pois se considera que o funcionário já folgaria de qualquer forma. Antes de arrumar as malas e morar em Malta, veja essas dicas:

  • Comece a fazer contato com as empresas da sua área ainda no Brasil e fale da sua vontade de se mudar para Malta. Assim você não chegará totalmente perdido na ilha;
  • Entre em contato com outros brasileiros que residam no país e aumente seu círculo de amizades, que será muito útil na hora de procurar emprego e conseguir dicas;
  • Descubra suas possibilidades pelo LinkedIn e busque ofertas em sites de emprego populares em Malta, como PentasiaKonnektReed Global CareerJet;
  • Inglês intermediário é primordial para conseguir vaga em qualquer área, até mesmo nos subempregos;
  • Ao chegar no país, participe de palestras, workshops e eventos na sua área para aumentar seu networking e fazer contatos.

O que preciso para morar em Malta?

Para viajar pela Europa entre os países que fazem parte do Tratado de Schengen, é necessário apresentar o passaporte com no mínimo 90 dias de validade após sua passagem de volta para o Brasil ou saída do Espaço Schengen.
Portanto, se você pensa em morar por um tempo em Malta e já possui um passaporte, vale renová-lo, ainda que não esteja tão próximo da validade. Caso ainda não tenha o passaporte, é o primeiro documento que deve providenciar.

Visto para morar em Malta

Para estudar ou trabalhar em Malta, é necessário providenciar um visto. Veja quais são os principais tipos de visto para morar em Malta a seguir.

Visto de estudante

Se você for fazer um curso que dura até 90 dias, não será necessário obter o visto. Mas, caso vá permanecer por um tempo superior no país, é necessário conseguir o visto de estudante. Neste caso, a instituição de ensino deve emitir um documento para que você consiga solicitar um visto.
A documentação deve ser apresentada no Departamento de Cidadania e Expatriados em Valetta, capital de Malta. Os documentos exigidos são:

  • Formulário padrão (CEA/20), preenchido e assinado;
  • Duas fotos 3X4;
  • Carta de aceitação da instituição de ensino, informando o curso e os detalhes da prorrogação;
  • Cópias das páginas do passaporte;
  • Comprovante financeiro;
  • Seguro saúde válido para o Espaço de Schengen;
  • Passagem de volta ao Brasil.

Visto de trabalho

Chamado de work permit, este é um dos vistos de residência mais desejados por quem sonha em morar em Malta. É fornecido pela própria empresa no ato de contratação ou pode ser solicitado por aqueles que possuem cidadania europeia.
Em geral, para conseguir este visto é necessário arrumar um emprego ainda no Brasil. Desta forma, a própria empresa será responsável por todos os trâmites burocráticos.

Visto de residência

Existem duas opções de visto para morar em Malta legalmente: o Ordinary Residence, concedido apenas para cidadãos da União Europeia e renovado a cada cinco anos. Também é possível conseguir o Permanent Residence, concedido para cidadãos de qualquer país e renovado anualmente. Ele pode ser aplicado já em Malta, durante o período de 90 dias permitido para turistas. Os documentos exigidos são:

  • Comprovante de rendimento anual superior a 24 mil euros ou patrimônio líquido total superior a 350 mil euros;
  • Comprovante de aluguel por, pelo menos, um ano a partir da data de solicitação do visto. O imóvel deve ter valor mínimo anual de 2.400 euros;
  • Comprovante de compra de imóvel em Malta ou Gozo (no caso de não pagar aluguel);
  • Capacidade de remeter para Malta a quantia anual de 14 mil euros para o titular da autorização de residência, além de 2.400 euros por cada dependente.

O formulário de solicitação pode ser preenchido site oficial do governo de Malta.

Seguro Viagem para morar em Malta

Malta faz parte do Tratado de Schengen, que é um acordo de livre circulação de pessoas assinado por países europeus. Segundo esse tratado, os turistas que entram no país precisam apresentar um seguro viagem com cobertura para despesas médicas e hospitalares de, pelo menos, 30 mil euros. E isso também vale para quem vai morar em Malta.
Trabalhar e morar em Malta
Os agentes de imigração podem pedir para checar sua apólice e caso você não a tenha em mãos, corre o risco de ser mandado de volta para o Brasil. Portanto, é essencial que você providencie o seu antes da viagem.
Além da exigência do seguro para entrar no país, também é importante tê-lo caso precise, pois, não existe saúde gratuita para estrangeiros em Malta. Caso queira ver boas opções e planos, comparando qual encaixa melhor para você, use o comparador de seguro viagem do Euro Dicas.

Quanto custa viver em Malta?

De acordo com relatos de pessoas que já moraram em Malta, é possível viver bem no país com 1.200€ por mês. Ou seja, R$7.665 reais na cotação de janeiro de 2021. Mas é claro que isso vai depender de vários fatores como estilo de vida, se você vai dividir apartamento ou não, se está sozinho ou com a família, entre outros.
O custo de vida para morar em Malta é mais baixo do que em outros países europeus, como a Bélgica, por exemplo. Alimentação e supermercado têm preços mais altos, já que o país não tem estrutura para plantar e importa grande parte dos alimentos. O transporte público é eficiente e seguro, e o valor cai pela metade fazendo um cartão da empresa.
Uma consulta médica pode custar até 50€, mas se for algo simples (como um resfriado ou dor muscular), você pode ir até uma farmácia e solicitar atendimento. Outro fator que pode encarecer a vida em Malta é a moradia, já que é um local de veraneio para os europeus e um importante centro financeiro atualmente. Com os dados do site colaborativo Numbeo podemos ter ideia do custo de vida em Malta. Veja alguns custos médios a seguir.

Restaurantes

Tipo de restaurante Valor médio
Restaurante econômico (refeição para uma pessoa) 15€
Restaurante de valor médio (refeição para duas pessoas) 60€

Supermercado

Produto Valor médio
Leite normal (1l) 0,99€
Pão Branco Fresco (500g) 1,15€
Arroz branco (1kg) 2,04€
Ovos normais (dúzia) 2,46€
Queijo Regional (1kg) 8,53€
Filetes de Frango (1kg) 7,17€
Bifes de paleta (1kg) 13,62€
Maçãs (1kg) 2,60€
Banana (1kg) 1,86€
Laranjas (1kg) 2,51€
Tomate (1kg) 2,53€
Batata (1kg) 1,74€
Garrafa de Vinho 6€
Cerveja Nacional (500 ml) 1,55€

Transporte

Bilhete 1,50€
Passe Mensal 26€
Início do Táxi (tarifa normal) 5€
Gasolina (1l) 1,40€

Serviços mensais

Básicos (eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água, lixo) para um apartamento de 85m2 82,95€
Internet 34,07€

Esporte e lazer

Academia (mensalidade para 1 adulto) 56,88€
Aluguel de campo de tênis (1h no fim de semana) 19,30€
Cinema 8,50€

Aluguel e compra de apartamento

Aluguel de apartamento (1 quarto) no centro da cidade 852,38€
Aluguel de apartamento (1 quarto) fora do centro 689,67€
Aluguel de apartamento (3 quartos) no centro da cidade 1.513,36€
Aluguel de apartamento (3 quartos) fora do centro 1.142,54€
Preço por metro quadrado para comprar apartamento no centro da cidade 3.335,94€
Preço por metro quadrado para comprar apartamento fora do centro da cidade 2.206,49€

Onde morar em Malta?

Malta é um arquipélago no mar Mediterrâneo, localizado abaixo da Itália, perto da ilha da Sicília. O arquipélago é composto por cinco ilhas, mas apenas três delas são habitadas: Malta, Gozo e Comino. A República de Malta é um dos países menores do mundo e sua população triplica no verão, por conta dos turistas. Veja um pouco sobre cada uma das ilhas habitadas.

Malta

Malta é a maior e mais populosa ilha do arquipélago, com 246km de extensão. Como é um país pequeno, ele se divide somente em cidades. Cada cidade possui o tamanho de um bairro. Sua capital é Valleta e a cidade mais populosa é Birkikara.

Gozo

Gozo é a segunda maior ilha do país, a mais habitada e a segunda maior em extensão. Em Gozo se encontrava um dos maiores pontos turísticos do arquipélago, o Azure Window (Janela Azul), que desabou em 8 de março de 2017. O local continua sendo visitado e a água na região possui uma coloração azul-escuro que chama a atenção.

Comino

É a mais conservada e considerada a mais bonita das três ilhas. Tem extensão de apenas 2km e somente quatro habitantes. Lá se encontra a famosa Lagoa Azul (Blue Lagoon), que é um dos pontos turísticos mais bonitos do país.

Mas afinal, onde morar em Malta?

Se você vai para estudar, pode pesquisar e escolher a cidade que mais se identificar. É interessante ficar nas cidades principais, que são Sliema e St. Julians, ou na capital Valetta, onde terá uma vida mais agitada.
Já para quem quer conseguir um bom emprego, as melhores opções são a capital Valetta, que tem o custo de vida mais baixo que outras capitais europeias; Gozo, que é um dos destinos mais procurados pelos turistas, gerando oportunidades de emprego; Sliema, que é uma das principais áreas comerciais da ilha com vida noturna agitada ou Mosta, que é um importante centro comercial.

Precisa falar inglês para morar em Malta?

Se você vai para trabalhar, ter o inglês intermediário é essencial para conseguir uma vaga em qualquer área, inclusive nos subempregos. Já quem vai para estudar o idioma, ter um nível básico da língua é suficiente para se comunicar no começo e se desenvolver ao longo da estadia.
Em Malta, algumas pessoas falam italiano e existe uma língua local, o maltês, que é composta por cerca de 70% do árabe, 15% inglês e 15% italiano. Porém, o inglês é o idioma co-oficial da ilha de Malta e é o mais falado no país. A porcentagem de pessoas que falam inglês em Malta é de cerca de 98%.
Os malteses possuem um sotaque peculiar, com uma mescla de árabe, italiano, inglês e o próprio dialeto local. Por isso, não é um inglês difícil de entender, justamente porque é claro e básico.

Vale a pena morar em Malta?

Caso você esteja em busca de crescimento profissional ou queira morar na Europa para juntar uma grana, talvez não seja a melhor opção. É bem difícil conseguir uma colocação no mercado de trabalho e pode ser um pouco frustrante.
Mas, se a sua ideia for estudar inglês, a ilha está entre as opções mais procuradas por intercambistas e todos elogiam muito a experiência de estudar por lá.
Catedral de St. Paul em Valleta
Como conta Luis Gustavo:

“o país oferece uma combinação perfeita de praias paradisíacas, bom custo de vida, riqueza histórica, cultural e gastronômica, além de uma vida noturna bastante agitada para um país tão pequeno. Melhorar o inglês tendo tudo isso com certeza valeu a pena”.

Pessoas da área de turismo e hotelaria também podem se interessar em investir no país. Os aposentados em busca de sossego também podem ter Malta como uma opção.

Como é morar em Malta?

De acordo com o Luis Gustavo, morar em Malta pode ser surpreendente e ir muito além de admirar belas paisagens. “Malta me surpreendeu. Eu escolhi o país pensando no clima mediterrâneo, mais próximo do clima tropical do Brasil. É um dos poucos lugares para estudar inglês que oferece esse clima amistoso. E o país me ofereceu muito mais que um clima gostoso e praias paradisíacas. Tem muita história, diversos museus, sítios arqueológicos e muitos pontos turísticos além das praias. Malta tem uma cultura muito rica, com forte influência italiana e árabe, que gerou uma mistura bastante peculiar”.

Luis Gustavo em Malta
Foto do arquivo pessoal do Luis Gustavo Santos, em Valleta, Malta.

Qualidade de vida e segurança

O entrevistado também elogia a qualidade de vida do lugar. “A qualidade de vida é excelente! Um ritmo de vida mais tranquilo que grandes centros de intercâmbio, como Dublin e Londres. Com isso, você tem mais acesso à população local, tem tranquilidade mas também tem agito, que é um ponto forte de Malta, uma típica ilha badalada do Mediterrâneo”.
A segurança é outro ponto ressaltado por Luis Gustavo. “Me sentia totalmente seguro. Claro que precauções devem ser tomadas e não podemos abusar, seja em qualquer lugar do mundo. Mas, comparando com Brasil, tem a segurança típica dos países europeus. A taxa de criminalidade é extremamente baixa. Eu vi pouco policiamento, mas a sensação de segurança era real. Via famílias e turistas andando pela orla tarde da noite, fazendo fotos, com crianças e todos pareciam super confortáveis e nada apreensivos”.

Recepção dos locais

O nosso entrevistado ainda elogiou a receptividade dos locais em Malta. “Desde o aeroporto até o atendimento nos estabelecimentos, toda a população é muito receptiva com turistas e intercambistas. Além do inglês, Malta tem como idioma oficial o maltês, uma língua bastante difícil que mistura inglês, árabe e italiano. É comum ver os locais falando em maltês entre eles, mas todos falam inglês e são super prestativos com pessoas com dificuldade com a língua. Parece que as pessoas têm mais tempo e paciência, diferente do que acontece nas grandes cidades, em que todos estão sempre correndo e atarefados”.
A única experiência não tão boa de Luis Gustavo foi com os motoristas de ônibus. “Eu só senti um pouco de impaciência nos motoristas de ônibus, mas pode ser um caso isolado – ou mesmo compreensível, devido ao fluxo de gente e a tarefa árdua de enfrentar o trânsito maltês. Não existe congestionamento, mas tem muitos carros para ruas muito estreitas e sempre cheias. O tráfego parece um pouco caótico, e é mão inglesa, devido à colonização britânica, o que pode ser um pouco confuso no início para brasileiros”.

Brasileiros em Malta

Malta possui cerca de 441.901 habitantes atualmente, de acordo com os dados da Worldometers. O país também tem uma das maiores populações de estrangeiros da União Europeia. Mais de 67 mil pessoas, segundo a agência de estatística Eurosat, são de países fora da Europa, incluindo Brasil.
Ainda que não existam dados oficiais sobre a quantidade de brasileiros em Malta, o país se tornou um dos mais populares para intercâmbio entre os brasileiros. De acordo com o Portal Consular, a comunidade brasileira em Malta é pequena e reside, principalmente, em Valleta, ilhas de Gozo e de Comino.
Como faz parte do Espaço de Schengen, Malta permite que os brasileiros permaneçam no país por até 90 dias sem ser necessário aplicar um visto de turismo. Se você for ficar mais tempo do que isso no país, não deixe de solicitar um visto para legalizar a sua situação.