Cidades mais baratas para viver na União Europeia: o top 15

Europa  / 

Nem sempre morar na Europa requer alto custo de vida. Por isso, antes de tomar a decisão de morar fora, é bom você conhecer a lista das cidades mais baratas para viver na União Europeia e escolher aquela com a qual você mais se identifique.

Lista das 15 cidades mais baratas da União Europeia

O continente europeu é composto por 50 países. Porém, somente 28 países pertencem à União Europeia (o Reino Unido ainda é estado-membro da UE enquanto o Brexit não é implementado).

Confira mais informações no artigo completo que fizemos sobre quantos países tem a Europa: dentro e fora da União Europeia.

Precisa abrir uma conta bancária na Europa?

Você pode abrir a sua conta bancária grátis em 5 minutos e com toda a segurança no N26, um banco digital que funciona em toda a Europa.


O N26 não exige comprovação de rendimentos, você só precisa estar na Europa e ter seu passaporte em mãos.

ABRIR CONTA »

Há regiões com alto custo de vida e aquelas cidades mais baratas da União Europeia. Descubra aquelas que possuem o custo de vida mais baixo, de acordo com os valores das moradias, contas da casa e outras despesas mensais.

1. Bucareste, Romênia

Bucareste é uma cidade muito barata para morar. Conhecida também conhecida como “A Pequena Paris do Leste Europeu”, a capital da Romênia tem suas principais atividades econômicas ligadas à indústria, aos serviços, à tecnologia da informação e ao comércio.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro de Bucareste custa, em média, 395,12€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 96,26€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 639,76€.

O indicador de custo de vida é considerado muito baixo, de 39,41, e a qualidade de vida na cidade é elevada, de indicador de 120,57. Além do baixo custo de vida e da qualidade de vida elevada, a segurança eficiente, o preço dos transportes públicos, das compras no mercado e do aluguel de apartamento são muito acessíveis para um país europeu.

Entre as desvantagens está a saúde considerada razoável, o baixo poder de compra e a poluição na cidade. Veja dicas de turismo em Bucareste neste artigo.

2. Poznań, Polônia

Poznań, na Polônia, que está crescendo constantemente, tem o objetivo de estar entre as cidades mais importantes do mundo. Possui cerca de 636 mil habitantes e seu destaque está na economia e na cultura.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 426,99€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam 142,19 € e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 740,08€.

O indicador de custo de vida é considerado muito baixo, de 39,49, e a qualidade de vida na cidade é elevada, de indicador de 130,36. A segurança e o baixíssimo custo de vida são algumas das principais vantagens em morar na cidade. Já o baixo poder de compra e a saúde regular podem ser desvantagens de escolher Poznań para morar.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é o Remessa Online.


No Remessa Online você vai economizar até 8x nas suas transferências e, se precisar de algum suporte, o apoio ao cliente é em português. Crie a sua conta grátis e envie dinheiro com segurança.

VER COTAÇÃO »

3.Cracóvia, Polônia

A Polônia possui algumas das cidades mais baratas para viver na União Europeia, e uma delas é Cracóvia, que fica ao sul do país, com cerca de 850 mil habitantes. Com o centro histórico considerado um Patrimônio Cultural da UNESCO, a cidade tem suas principais atividades ligadas à indústria, ao comércio, ao turismo e aos serviços.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O preço do aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade é em torno de 499,65€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 168,18€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 841,49€.

O indicador de custo de vida na cidade é considerado muito baixo, de 40,91, e a qualidade de vida em Cracóvia é alta, de indicador de 127,62, com alto nível de segurança, saúde regular e poder de compra moderado.

A cidade proporciona ao residente: cultura, boa localização, baixo custo de vida e segurança eficiente. Entre as principais desvantagens de morar na cidade estão: clima (inverno rigoroso e sem sol), a língua e a alimentação, muito diferente da brasileira.

4. Sófia, Bulgária

Sófia, capital da Bulgária e uma das cidades mais antigas da Europa, também está entre as cidades mais baratas para viver na União Europeia. Possui 1,4 milhão de habitantes e suas principais atividades econômicas são: turismo, finanças, serviços e comércio.

cidades baratas viver sofia

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 360,15 €, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam 104,92€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 685,07€.

O indicador de custo de vida é muito baixo, de 40,94, e a qualidade de vida na cidade é muito elevada, de indicador de 127,21. No entanto, a saúde e a segurança na cidade não são pontos de destaque, são avaliadas como razoáveis, o índice de corrupção é elevado, o índice de poluição é alto e o poder de compra é baixo. A cidade, inclusive, está no nosso ranking entre as cidades mais perigosas da Europa.

A cidade possui uma economia mais fraca que a maioria das cidades da UE. Por outro lado, a qualidade de vida é alta, o custo de vida é baixo, as estações do ano são bem definidas, a gastronomia é boa, o povo é receptivo e as paisagens são bem bonitas na cidade.

5. Gdansk, Polônia

Mais uma polonesa entre as cidades mais baratas para viver na União Europeia. Gdansk é uma cidade histórica da Polônia, com grande importância para o país, integrando o núcleo das Três Cidades, com Sopot e Gdynia, que juntas possuem mais de um milhão de habitantes. Suas principais atividades econômicas são a indústria (naval, química e petroquímica), as finanças, os serviços e o turismo.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa cerca de 497,67€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam 167,91€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 806,64€.

O custo de vida em Gdansk é considerado muito baixo, de 40,99, e a qualidade de vida na cidade é elevada, de indicador de 138,96, com segurança eficiente e poder de compra moderado.

Estão entre as principais vantagens em viver nesta cidade o baixo custo de vida, a segurança elevada e as muitas alternativas para quem quer estudar na cidade. As desvantagens englobam a língua, o clima de extremos e os alimentos poloneses, que grande parte dos brasileiros não admira tanto.

6. Varsóvia, Polônia

A capital da Polônia é uma das cidades mais baratas para viver na União Europeia. A cidade, que possui 1,85 milhão de habitantes (estimativa 2019), tem suas principais atividades econômicas ligadas à indústria, ao comércio e aos serviços, com várias indústrias e universidades em seu território.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

Um apartamento de um quarto no centro da cidade custa aproximadamente 582,63€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam em torno de 145,73€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 976,71€.

O custo de vida em Varsóvia é considerado muito baixo, de 43,26, e a qualidade de vida na cidade é elevada, de indicador de 137,41. Além disso, a segurança na cidade é eficiente.

Entre as principais vantagens estão: viver em uma cidade cosmopolita, com muito verde, segura, localização privilegiada e baixo custo de vida. Já entre as desvantagens estão a língua, o clima de extremos e os alimentos, que não são muito admirados por grande parte dos brasileiros.

7. Budapeste, Hungria

Budapeste, na Hungria, é uma das maiores cidades da União Europeia e também é uma das cidades mais baratas para viver na União Europeia, sendo um importante centro financeiro do país e considerada uma cidade global alpha.

As principais atividades econômicas da cidade estão nas áreas de: indústria, serviços, turismo e comércio.

Budapeste

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa em cerca de 469,21€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 142,19€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 765,49€.

O custo de vida é considerado muito baixo, indicador de 44,54, e a qualidade de vida na cidade é elevada, de indicador de 125,38, com nível elevado de segurança. No entanto, o poder de compra da população é baixo, pois o salário é baixo também, e o idioma pode ser um empecilho. Já entre as vantagens estão o baixo custo de vida, a segurança da cidade, as boas oportunidades de trabalho, a qualidade de vida, o transporte, entre outras.

8. Brno, República Tcheca

Brno está também entre as cidades mais baratas para viver na União Europeia. A cidade é a segunda maior do país e possui milhares de estudantes universitários, sendo considerada a “cidade dos estudantes”.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 517,54€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam 147,20€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 995,58 €.

O indicador de custo de vida na cidade é muito baixo, de 45,87, e a qualidade de vida na cidade é muito elevada, de indicador de 163,76, com saúde e segurança eficientes.

Entre as principais vantagens, com certeza está a segurança, o respeito à mulher, a saúde pública eficiente, a qualidade de vida e as belas paisagens. O poder de compra moderado e o idioma podem ser desvantagens de morar em Brno.

Veja também os países da Europa onde as mulheres são mais respeitadas e têm maior igualdade salarial.

9. Vilnius, Lituânia

Com apenas 575,1 mil habitantes (estimativa ano de 2019) habitantes, a capital da Lituânia também entra na lista das cidades mais baratas para viver na União Europeia. A economia da cidade gira mais em torno dos seguintes setores: finanças, serviços, comércio e construção civil.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, aproximadamente, 482,90€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam 121,31€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 834,71€.

O indicador de custo de vida é baixo, de 46,55, e a qualidade de vida na cidade é muito elevada, de indicador de 161,98, com saúde e segurança eficientes e baixo índice de poluição, com montanhas arborizadas.

Apesar dessas grandes vantagens, o poder de compra na cidade é baixo e a língua pode ser uma dificuldade para quem não conhece.

10. Bratislava, Eslováquia

A linda capital eslovaca, Bratislava, faz fronteira com a Áustria e com a Hungria, sendo cortada pelo Rio Danúbio. Com somente 501,2 mil habitantes (estimativa 2016), a economia gira em torno das seguintes atividades: comércio, indústria, turismo e finanças.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 597,71€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 179,11€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 1.004,94€.

O indicador de custo de vida é considerado baixo, de 47,99, e a qualidade de vida na cidade tem índice muito elevado, de 152,71, com segurança muito boa, excelente gastronomia, rica economicamente, com elevado PIB per capita e bom custo-benefício. Por outro lado, faz muito frio no inverno na cidade.

11. Praga, na República Tcheca

Praga é uma das cidades mais belas da Europa, a capital e o centro econômico do país e também uma das cidades mais baratas para viver na União Europeia. As principais atividades da cidade estão ligadas às finanças, ao turismo, aos serviços e à indústria.

Praga

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

Um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 724,90€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam 168,98€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 1.166,33€.

O indicador de custo de vida é considerado baixo, de 49,35, e a qualidade de vida na cidade é muito elevada, de indicador de 160,69, com saúde eficiente, baixo índice de poluição e poder de compra moderado.

Entre as principais vantagens estão a cultura, a localização, o custo de vida, além do bom sistema público de educação, saúde, transporte e segurança. Já entre as principais desvantagens estão o clima (inverno rigoroso e sem sol) e a língua.

Confira esse guia completo para visitar Praga.

12. Riga, Letônia

Riga é a capital e a maior cidade da Letônia. Ela fica na região central da Letônia, às margens do Mar Báltico, noroeste da Europa e tem cerca de 791,6 mil habitantes (estimativa 2019). Com as principais atividades econômicas ligadas à indústria, ao comércio, às finanças e ao turismo, a cidade é um relevante centro cultural e econômico do país.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 378,06€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 167,13€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 788,35€.

O indicador de custo de vida é considerado baixo, de 50,20, e a qualidade de vida em Riga é alta, de indicador de 148,76. Fatores como elevado nível de segurança e saúde, baixo custo de vida, qualidade de vida elevada e baixo índice de poluição são algumas das principais vantagens de morar em Riga. Por outro lado, o clima frio e o baixo poder de compra podem considerados desvantagens da cidade.

13. Zagreb, Croácia

A capital da Croácia é a maior cidade do país. Sua economia é voltada para a indústria, serviços, finanças, turismo e comércio. Atividades como processamento de metais, têxteis e madeira são muito presentes na região.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro de Zagreb custa, em média, 456,89€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam aproximadamente 173,50€ e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 886,17 €.

O indicador de custo de vida na cidade é baixo, de 50,94, e a qualidade de vida em Zagreb é muito elevada, de indicador de 163,75, com saúde e segurança em níveis muito elevados e baixo índice de poluição, com lindas paisagens. No entanto, entre as desvantagens de viver nesta cidade está o baixo poder de compra e o desemprego.

14. Porto, Portugal

Porto é a segunda maior cidade de Portugal e também está entre as cidades mais baratas para viver na União Europeia, tendo o custo de vida cerca de 70% menor do que Nova York, por exemplo. Localizada no norte do país, é uma cidade turística, conhecida internacionalmente pelas suas belezas e seus vinhos. Além disso, é um importante polo econômico e industrial de Portugal.

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

Mesmo com o preço do aluguel mais elevado e com o custo de vida mais alto do que 2017 e 2018, Porto ainda é considerada uma cidade barata para viver na Europa. O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 674,21 €, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 104,94 € e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 785,92 €.

O indicador de custo de vida é baixo, de 51,87, e a qualidade de vida na cidade é muito elevada, de indicador de 154,12. Entre as vantagens de morar na cidade estão o alto nível da saúde e da segurança pública, baixo índice de poluição, transportes públicos eficientes, alimentação boa e em conta e oportunidades de emprego.

Entre as desvantagens está o preço dos aluguéis e a dificuldade para encontrar um apartamento bom, o baixo poder de compra e os baixos salários.

Veja também a nossa lista das cidades mais baratas para viver em Portugal.

15. Tallinn, Estônia

Tallinn também está entre as cidades mais baratas para viver na União Europeia. Ela é considerada a capital política e financeira da Estônia e a capital mais antiga da Europa setentrional. A cidade, que se localiza no Golfo da Finlândia, conta com salários considerados bons.

cidades baratas viver tallinn

Custo de vida, qualidade de vida, segurança e vantagens e desvantagens da cidade

O aluguel de um apartamento de um quarto no centro da cidade custa, em média, 509,85€, as contas básicas de eletricidade, aquecimento, arrefecimento, água e lixo para um apartamento de 85m2 custam cerca de 183,37 € e uma pessoa recebe por mês, em média, um salário líquido de 1.146,20€.

O indicador de custo de vida é considerado baixo, de 53,32, e a qualidade de vida na cidade é muito elevada, de indicador de 174,92, com saúde e segurança eficientes e baixo índice de poluição.

Entre as principais vantagens de Tallinn estão: baixo custo de vida, elevada qualidade de vida, nível elevado de segurança e saúde, baixa poluição, bons salários e conexão de wi-fi gratuita. Entre as desvantagens estão o clima muito frio no inverno, as pessoas, mais fechadas a relacionamentos, e o idioma – é preciso falar muito bem inglês para se virar na região.

Conheça também as cidades mais baratas da Europa para viajar.

15 cidades mais caras para viver na União Europeia

Agora que você já sabe quais são as 15 cidades mais baratas para viver na União Europeia, veja quais são as 15 mais caras:

  1. Zurique, Suíça;
  2. Genebra, Suíça;
  3. Basileia, Suíça;
  4. Lausanne, Suíça;
  5. Londres, Reino Unido;
  6. Oslo, Noruega;
  7. Reykjavik, Islândia;
  8. Lugano, Suíça;
  9. Dublin, Irlanda;
  10. Copenhague, Dinamarca;
  11. Amsterdam, Países Baixos;
  12. Paris, França;
  13. Estocolmo, Suécia;
  14. Aarhus; Dinamarca;
  15. Luxemburgo.

Observação: pesquisa baseada no site Numbeo e em outros indicadores.

Aproveite e conheça também as melhores cidades da Europa para morar. Ficou com vontade de viver no continente? Nossa indicação é que você pesquise bem sobre o país destino, pois aventurar-se em um país estrangeiro nem sempre é fácil e você precisa pesar bem as vantagens e desvantagens. Boa sorte!

Em destaque no Euro Dicas
  • Sabia que é obrigatório ter Seguro de Viagem para entrar na Europa?

    Seja para morar ou visitar, a imigração pode exigir esse documento no país destino. Se você não tiver, será obrigado a voltar ao Brasil. Em parceria com a Seguros Promo garantimos aos nossos leitores o melhor preço de seguro de viagem.

    COTAR SEGURO »
  • Precisa enviar dinheiro para outro país?

    A nossa plataforma preferida é o Remessa Online. No Remessa Online você vai economizar até 8x nas suas transferências e, se precisar de algum suporte, o apoio ao cliente é em português. Crie a sua conta grátis e envie dinheiro com segurança.

    VER COTAÇÃO »
  • Pensando em morar em Portugal?

    Escrevemos um guia com todos os passos necessários para organizar a sua saída do Brasil com rapidez, segurança e sem complicações. Receba grátis o índice e primeiras páginas.

    RECEBER AMOSTRA »
COMPARTILHE
Autores

Carolina é luso-brasileira, jornalista e especializada em Comunicação Empresarial. Desenvolve e revisa conteúdos para diversas mídias. Adora viajar o mundo, conhecer novas culturas e escrever sobre suas experiências. Tem prazer em dar dicas de restaurantes, hotéis e também em ajudar brasileiros que desejem morar em outro país.

Amanda é brasileira, jornalista, mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Mora desde 2014 em Portugal. Escreve para seu site Vagas pelo Mundo sobre oportunidades de emprego, a experiência de morar fora, bolsas de estudo e vistos para morar no exterior.