A Bélgica, mundialmente conhecida pelos chocolates, cervejas e batatas-fritas, é um lugar fascinante. Por isso, acaba sendo destino de muitos estrangeiros, como brasileiros. De acordo com a revista Hommes & Migrations, a migração dos brasileiros no país começou em 1964, durante o golpe militar. A partir de então, o números de brasileiros na Bélgica vem crescendo exponencialmente.

A capital da União Europeia é conhecida por receber muito bem os imigrantes. Mas você sabe quais são os desafios de quem inicia essa jornada? Neste artigo, conheça o perfil de quatro brasileiras que vivem na Bélgica, suas histórias e suas principais dicas para quem está vindo viver aqui.

Quantos são os brasileiros na Bélgica?

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, há cera de 48 mil brasileiros vivendo na Bélgica. Cada vez mais, o número de brasileiros a morar na Bélgica cresce.

Quem são os brasileiros que vivem na Bélgica?

Há muitos brasileiros vivendo na Bélgica, portanto, há muitos perfis diferentes. Do total de imigrantes brasileiros no país, cerca de 33% vêm de Goiás, e pessoas dos demais estados também estão bem espalhadas.

Uma pesquisa elaborada pela Fedasil também revelou que o nível educacional dos imigrantes brasileiros é dividido: há tantos brasileiros sem qualificações de trabalho e acadêmicas quanto brasileiros com altas qualificações.

É fato que muitos dos brasileiros migram com visto para estudar na Bélgica, como foi o caso da Márcia está no país desde 1990, quando se mudou para o país para estudar música. Hoje, ela mora em Gent com o filho, Rodrigo.

“Tive a oportunidade de estudar cello e viola da gamba na Universidade de Campinas, a UNICAMP, com uma cellista belga Francine Berckmans. Quando ela voltou para a Bélgica, me convidou para vir estudar com ela. No início achei impossível, mas ela me apoiou muito e acabei vindo. Além do cello, queria me especializar em método para crianças. Ela (a professora) encontrou uma escola que além de me aceitar me deu uma bolsa de estudo.”

Márcia e Rodrigo sorrindo
Márcia e seu filho Rodrigo. Foto: Arquivo pessoal.

Também há brasileiros que migram para trabalhar na Bélgica com visto já aceito, como foi o caso da cientista Renata. Ela sempre sonhou em ter a experiência de morar fora do Brasil. Em julho de 2021, conseguiu realizar esse sonho junto do marido Lucas. Hoje, os dois moram em Leuven.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é a Wise. É seguro, rápido e fácil de utilizar.

Ver Cotação →

“Na época da faculdade queria muito entrar no programa ciência sem fronteiras que infelizmente foi finalizado antes que eu pudesse tentar. Assim, a maneira que eu pensei em vir pra fora foi trabalhando. Meu marido aplicou pra várias vagas na Europa e conseguiu um emprego na Bélgica. Então pude finalmente me mudar pra cá e começar a trabalhar também.”

Brasileira Renata em Bruxelas
Renata no Parc du Cinquantenaire, em Bruxelas. Foto: Arquivo pessoal.

Além do trabalho, Renata também mantém um canal no Youtube, o Renata na Europa. No canal, ela conta toda a sua experiência vivendo no país, sobre custo de vida na Bélgica, conhecendo novas cidades e países e também mostrando a sua rotina no país. Ela também conta e esclarece como foi o processo de conseguir o visto, como funciona o trabalho na Europa, e dá várias dicas práticas para quem está se mudando para o velho continente também.

Já a Ariane, morava com o marido em Curitiba, no Paraná. A filial da empresa em que o marido dela trabalhava abriu uma nova planta em Gent, na Bélgica, e ele foi transferido para essa nova unidade. Esse foi o motivo pelo qual os dois se mudaram para o país.

Ariene faz parte do grupo de brasileiros na Bélgica
Ariene, brasileira que vive em Gent.

Depois de um tempo morando na Bélgica, Ariene decidiu abrir o seu próprio negócio, ao perceber que havia muitos brasileiros no país. Ela abriu o GenteBrasil, um mercado brasileiro localizado em Zwijnaarde. Hoje, o mercado atrai muitos brasileiros que vivem na cidade, tanto por ser um local de concentração de brasileiros quanto por oferecer produtos típicos do Brasil.

Além dos perfis de estudantes, trabalhadores e empreendedores, há também outros que arriscam imigrar sem proposta de trabalho, mas conseguem uma vaga ao chegar aqui. E, é claro, também há os que se mudam por possuir cidadania belga.

Onde vivem os brasileiros na Bélgica?

Ainda de acordo com o Ministério das Relações Exteriores, os brasileiros na Bélgica se dividem entre Bruxelas, Bruges, Antuérpia e Gent. Também há muitos brasileiros em Leuven, em Kortrijk, em Namur e em Liège.

A capital, Bruxelas, é dividida em comunas, espécies de organizações territoriais. Boa parte dos brasileiros estão concentrados nas comunas Saint-Gilles, Anderlecht e Forest.

Como os belgas veem os brasileiros que vivem no país?

Segundo a Statica, entre 2017 e 2020 os casos de xenofobia na Bélgica aumentaram. Os casos registrados foram de 933 para 1.315, mas não há informações sobre quantos brasileiros são afetados nesses casos.

A forma como os belgas veem os brasileiros também pode depender do local: por exemplo, na capital Bruxelas, a receptividade com estrangeiros tende a ser maior. Afinal, a capital é um grande centro que reúne pessoas de diversas nacionalidades.

Existe xenofobia contra os brasileiros?

No contexto acadêmico e de trabalho, a nacionalidade não aparenta ser um problema para os belgas.

“Nunca sofri nenhum preconceito pela minha nacionalidade. Mas acredito que isso tudo depende do seu convívio diário e do contexto em que está inserido. Meu ambiente de trabalho, por exemplo, é extremamente internacional. Em geral, o que posso dizer, é que os belgas que conheci não sabiam absolutamente nada sobre o Brasil.” Afirma Renata, cientista que reside em Leuven.

A Márcia, que veio para a Bélgica para estudar, também não sofreu preconceito no país, pelo contrário, sempre se sentiu muito bem tratada pelos belgas.

A Ariene, proprietária do mercado GenteBrasil, já sentiu algumas dificuldades nesse sentido, sobretudo em relação ao idioma.

“Na verdade, acho que não por ser brasileira, mas acho que por eu não estar totalmente participando, sendo um membro ativo da comunidade belga. Aconteceu que eu precisei fazer um exame de Covid para viajar, e no hospital comecei a responder em inglês. Eu entendo o holandês, mas pra mim é mais fácil responder em inglês. A recepcionista falava comigo em holandês e eu respondia em inglês, e em um momento ela reclamou por eu estar aqui há tanto tempo e ainda não falar a língua local.”

Além disso, vale destacar que o mercado de Ariene não recebe apenas brasileiros. Segundo ela, há vários belgas que passam pelo estabelecimento para conhecer, o que demonstra curiosidade e receptividade dos nativos.

Quais os principais desafios dos brasileiros na Bélgica?

Viver em outro país é um grande desafio, por isso é sempre bom dizer que morar no exterior não é para todo mundo . Adaptar-se a outra cultura, a outro clima e a outro idioma não costuma ser fácil, apesar de todas as vantagens que envolvem uma mudança desse tipo serem muito grandes.

Idioma

A Bélgica é dividida em três regiões principais: Flandres, Valônia e Bruxelas-Capital, cada uma com um idioma principal. Em Flandres, a língua oficial é o holandês, e em Valônia, a língua oficial é o francês. Também há uma comunidade cuja língua principal é o alemão, mesmo que não oficializada pelo governo.

Já em Bruxelas, apesar de o francês predominar, o inglês está presente em praticamente todos os lugares. Para Renata, dominar o idioma foi o principal desafio.

“A maior dificuldade foi o idioma, com certeza. Sabendo falar somente inglês e português suas limitações se tornam grandes. A maioria das vagas de emprego exigem fluência nas línguas daqui e é difícil fazer amigos sem se comunicar na língua materna. Mesmo assim, consegui um emprego na minha área falando somente inglês após cerca de 2 meses procurando.”, afirma Renata, que vive onde o holandês é língua oficial.

Para Ariene, que também mora em região de língua holandesa, o idioma também foi uma questão.

“Minha maior dificuldade foi o idioma. Como essa foi minha maior dificuldade, eu fiquei só estudando. Eu fazia aulas de holandês quatro vezes na semana, meio período, e duas vezes na semana, durante 2 ou 3 horas, o inglês. Fiz isso pra conseguir me incluir no meio dos belgas”. 

Saudade

A saudade é uma consequência imediata para quem imigra, seja para a Bélgica ou para qualquer lugar do mundo.

“A saudade diária da família também é complicada, mas acredito que cada escolha tenha suas renúncias. Posso visitar a família sempre que eu puder e se um dia eu achar que não dá mais, o Brasil e novas oportunidades também estarão me esperando.” Conta Renata.

Para driblar um pouco da saudade, é bem comum os brasileiros se reunirem e formarem pequenas comunidades e redes de apoio. Esse movimento é bem comum nos restaurantes e estabelecimentos brasileiros na Bélgica.

Clima

Para quem nasceu e cresceu no Brasil, o clima também pode ser uma dificuldade. Afinal, os únicos períodos um pouco mais quentes na Bélgica concentram-se entre junho e meados de agosto. No restante do ano, o frio e as chuvas predominam.

“No início minha dificuldade foi o frio. Cheguei num momento em que não tinha ainda mudanças climáticas, e foram anos de muita chuva e pouquíssimo sol. Foi extremamente duro não ter céu azul e sol no início”, contou Márcia.

Ariene também comentou que o frio foi a sua segunda maior dificuldade e que até hoje não se adaptou completamente.

Pessoas em passeio de barco na Bélgica
O clima é um dos pontos que os brasileiros na Bélgica destacam como dificuldade.

A Bélgica é um bom país para brasileiros viverem?

O idioma e o clima podem ser desafios, mas as maravilhas de se viver no velho continente são inegáveis. Além de ser um país muito seguro, o turismo na Bélgica é incrível e o país oferece uma excelente qualidade de vida. Salários altos e alto poder de compra contribuem para isso.

“As estações são super bem definidas e o tempo muda bem rápido, mas as roupas e as casas daqui são adaptadas justamente pra isso. O salário é ótimo, as condições de férias muito boas, ganhar em euro é ter poder de compra e o sistema de saúde não é caro. As pessoas em geral são muito receptivas e sempre bom lembrar que tu vai estar a poucas horas (ou minutos) de trem ou de ônibus pra pelos menos outros 4 países da Europa.” complementa Renata.

Ariene destaca o transporte público na Bélgica pelo ótimo funcionamento e acessibilidade, assim como as escolas e o sistema de saúde.

“Considero a Bélgica um país bom de se viver, porque o transporte público funciona super bem e é barato, e tudo aqui é muito acessível. É barato comprar carro e casa por aqui, porque tudo é muito acessível. Escola é muito boa, tanto que não existe ensino particular aqui: o ensino é muito bom. A saúde também é boa, apesar de ser estranho pra gente que está acostumado com o SUS. Mas mesmo que a gente precise pagar, o governo reembolsa os custos.” afirma Ariene.

Já para Márcia, a Bélgica é um lugar excelente de se viver por um motivo bem particular, a educação do filho com espectro autista.

“Eu passei um período no Brasil, mas voltei pra Bélgica com meu filho porque aqui para ele é bem melhor. Eu fui muito bem acolhida e me apoiam muito, sendo sozinha e com filho autista. E as experiências aqui são fantásticas e eu agradeço muito a esse país, porque aqui é possível sozinha cuidar de um jovem autista.”

Conheça também o perfil dos brasileiros na França.

Recomendações para quem vai morar na Bélgica

A Bélgica é um lugar incrível, mas é claro que, como imigrante, você enfrentará alguns desafios e burocracias até conseguir se adaptar ao país. Renata, Márcia e Ariene deixaram recomendações para quem está vindo para o país.

Segundo elas, o planejamento é essencial. Por isso, é importante conhecer e pesquisar muito bem sobre a cidade que pretende morar, o clima, o mercado de trabalho e/ou a universidade que pretende estudar. O inglês é fundamental para quem deseja viver no país, mas aprender o idioma local também faz toda a diferença.

Um ponto ressaltado pela Márcia e pela Ariene é a questão de fazer a mudança de forma legal, ou seja, solicitando o visto de residência ainda no Brasil pois a vida para quem não chega no país legalizado pode ser bem mais difícil e dura.

“Jamais venha ilegal. Eu vim com tudo certo (…), só que no tempo que eu estou aqui no mercado conheci muita gente que está ilegal. Em praticamente 100% desses casos, as pessoas falam que a vida é muito sofrida quando você não vem com visto. Você não tem direito a nada, nem sistema de saúde, porque pra tudo aqui você precisa do seu ID (cartão de residência belga)”, ressalta Ariene.

Se você pretende morar na Bélgica, não desanime com os desafios. A qualidade de vida no país é excelente, e sempre há a possibilidade de encontrar outros brasileiros para formar comunidades. Isso ajuda a quem está expatriado a encontrar conforto e a lidar melhor com a saudade. E antes de se mudar, fique por dentro de todas as curiosidades da Bélgica para vir preparado(a).

Gostou de conhecer como vivem os brasileiros na Bélgica? Que tal conhecer outras histórias para se inspirar e refletir sobre a mudança? Recomendo o e-book O sonho de viver na Europa elaborado pela equipe do Euro Dicas, que reúne histórias bem interessantes de outros brasileiros que atravessaram o Atlântico para iniciar uma nova vida.