Viajar para o exterior é uma experiência emocionante, mas é importante estar preparado para cuidar da sua saúde durante a viagem. Uma preocupação comum para os viajantes é a necessidade de uma receita médica em inglês para viajar para outros países levando medicamentos de uso contínuo, ou não.

Neste guia completo, vamos fornecer todas as informações necessárias sobre a necessidade de uma receita médica em inglês para viajar, as regras para transportar medicamentos controlados em voos internacionais e as restrições que você precisa conhecer sobre o seu destino. Afinal de contas, o mesmo medicamento permitido no Brasil, pode ser proibido no exterior.

Precisa de receita médica em inglês para viajar?

Depende.

A necessidade de uma receita médica em inglês para viajar varia dependendo do país de destino e dos medicamentos envolvidos. Embora não seja obrigatório em todos os lugares, é altamente recomendado, especialmente se você estiver levando medicamentos de uso controlado.

Ter uma receita médica em inglês facilita a comunicação com agentes de segurança em aeroportos e profissionais de saúde no exterior, além de te ajudar a garantir que você esteja adquirindo os medicamentos corretos. Além disso, algumas companhias aéreas da Europa (ou de outros continentes) e autoridades alfandegárias podem exigir a apresentação da receita médica para permitir o transporte de medicamentos no avião ou para atravessar fronteiras.

Quando é preciso levar receita médica em viagens?

Para medicamentos controlados, como aqueles para condições crônicas, é essencial ter uma receita médica para comprovar a necessidade do uso desses medicamentos e evitar problemas legais ou restrições durante a viagem.

Para medicamentos comuns não é necessário, mas sim recomendado, levar uma receita médica, pois isso facilita a comunicação com com agentes alfandegários, caso peçam para revisar a sua bagagem.

Com a receita médica em inglês consigo comprar medicamentos no exterior?

Não.

Apenas com a receita médica em inglês você não consegue comprar medicamentos, pois as receitas médicas emitidas no Brasil são válidas apenas no território nacional. Ou seja, se você for para fora do país e precisar comprar um remédio controlado, então precisará se consultar com um médico local.

Porém, a receita médica em inglês pode te ajudar não só a passar pela imigração com os seus medicamentos, como te ajudar na hora que você estiver conversando com o médico local sobre a enfermidade que está tratando, o remédio que está tomando e o seu princípio ativo. Muitas marcas de remédio apresentam o mesmo composto, porém nomes muito diferentes a depender do país onde estão sendo comercializados.

Isso reforça a necessidade de planejar bem quais medicamentos levar e em que quantidade colocar na bagagem, principalmente se você depende de remédios de uso contínuo. O planejamento correto, aliado às documentações recomendadas, são fundamentais para garantir uma viagem mais tranquila e segura para você e a sua família. Lembre-se, isso também vale para medicamento de crianças e dependentes.

Uma receita médica em inglês também pode te ajudar em Portugal

As doenças e remédios em Portugal também podem ter nomes diferentes que os do Brasil, por isso a receita vai ajudar o médico a entender qual é o problema que você está enfrentando.

No começo de 2022, durante o inverno, o meu amigo que mora em Lisboa passou uns dias com o dedo muito inchado e vermelho e resolveu ir ao médico. Ao chegar lá, o médico disse que o seu problema era “frieira”. Ele achou estranho, pois no Brasil usamos esse nome para uma infecção fúngica e que geralmente acontece nos pés.

Ao questionar o médico, ele começou a ouvir a explicação sobre o que era aquilo e ambos concordaram com o termo “frostbite” em inglês. Isso fez com que o meu amigo entendesse que o seu problema, na verdade, era “congelamento”, devido ao frio intenso daquele inverno e que ele deveria manter as suas extremidades aquecidas para melhorar mais rápido.

Esta história serve para mostrar que ter uma receita em inglês pode ajudar a garantir que você continuará fazendo o tratamento correto mesmo em Portugal, pois sabemos que temos muitas palavras que significam coisas diferentes nos dois países.

Quer conhecer algumas palavras novas? Acesse o nosso dicionário de português de Portugal.

Regras para viajar com remédios controlados

Quando se trata de viajar com remédios controlados, é importante seguir algumas regras a mais para garantir uma viagem tranquila e evitar problemas. Em primeiro lugar, verifique as regulamentações do país de destino em relação aos medicamentos controlados que você precisa levar. Alguns países têm restrições rigorosas e exigem autorizações especiais ou licenças para a importação desses medicamentos. Certifique-se de obter todas as documentações necessárias com antecedência e siga as instruções específicas para evitar problemas legais ou a apreensão dos medicamentos.

Além da receita médica em inglês, é importante levar um laudo com a CID da doença que você está tratando. CID significa Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde.

Homem idoso aventureiro, viaja com remédios e receita médica.
Para quem faz uso de remédios controlados, a receita médica em inglês para viajar é fundamental.

Cada doença possui um número e este número é o mesmo em todos os países, então isso facilita o entendimento de médicos e profissionais da saúde estrangeiros entenderem qual é a sua enfermidade e sintomas. O ideal é levar um laudo original e outro na língua local do país, mas caso seja um idioma muito diferente do nosso, como o húngaro, sueco, ou alemão, um laudo em inglês já facilitará a comunicação — e preferencialmente opte por uma tradução juramentada para inglês.

Outra regra importante é transportar os medicamentos na embalagem original e fechados, com as etiquetas de prescrição claramente visíveis. Isso ajuda a comprovar a autenticidade dos medicamentos e a evitar confusões durante a viagem.

Regras para viajar com remédios controlados no Espaço Schengen

O Espaço Schengen é composto por 27 países europeus que compartilham do acordo de livre circulação de pessoas entre si. No entanto, quando se trata de medicamentos controlados, ainda existem algumas diretrizes a serem seguidas.

Em primeiro lugar, é essencial que você leve consigo uma receita médica em inglês atualizada para todos os medicamentos controlados que está transportando. A receita médica deve conter informações detalhadas, como o seu nome, a dosagem e a finalidade do medicamento, além do nome do médico que o prescreveu.

Além disso, é crucial verificar as regras específicas de cada país do Espaço Schengen em relação aos medicamentos controlados. Embora a maioria dos países permita a entrada de medicamentos controlados para uso pessoal, alguns podem ter restrições ou exigências adicionais com base no princípio ativo do remédio. Recomenda-se pesquisar antecipadamente as regulamentações do país que você está visitando e entrar em contato com a embaixada ou consulado para obter informações atualizadas e precisas.

É importante lembrar que a quantidade de medicamentos que você pode transportar também pode estar sujeita a limites específicos. É aconselhável levar apenas a quantidade necessária para a duração da sua viagem e ter uma cópia da prescrição médica para comprovar a necessidade do uso desses medicamentos durante aquele período.

Tenha atenção às restrições do seu destino

Como dito acima, cada país possui as suas próprias políticas e regulamentações relacionadas à importação e uso de medicamentos, especialmente os controlados. Mesmo os que estão dentro da União Europeia possuem algumas restrições internas e que diferem de outros países.

Por isso é importante verificar se é necessário obter autorizações especiais ou licenças para transportar esses medicamentos para evitar ser barrado na imigração. Algumas nações possuem listas específicas de medicamentos controlados ou substâncias proibidas, e é crucial respeitar essas restrições para evitar problemas legais ou a apreensão dos medicamentos.

Para obter informações precisas e atualizadas sobre as restrições do seu destino, consulte as autoridades alfandegárias e o consulado do país em questão antes da sua viagem. Essas fontes confiáveis poderão fornecer orientações específicas sobre as restrições de medicamentos e os requisitos legais que você deve seguir para viajar com tranquilidade.

Medicamentos proibidos em alguns países da Europa

Para te dar um exemplo, a dipirona em Portugal é restrita a receita médica, já no Brasil, o remédio é facilmente comprado em qualquer farmácia. Aliás, esse medicamento também chega a ser proibido em alguns outros países da União Europeia.

Para te ajudar, separamos uma lista de alguns medicamentos permitidos no Brasil e proibidos em alguns países da Europa:

Medicamento Proibido no país
Diane 35 França
Dipirona Portugal, França, Suécia, Reino Unido e outros.
Mytedom Rússia
Neosaldina Suécia
Novalgina Suécia
Ritalina Rússia
Sibutramina União Europeia

Existe multa para quem entra com medicamentos ilegais em outro país?

Sim, a entrada com medicamentos ilegais em outro país pode resultar em multas e outras penalidades. Cada país tem as suas próprias leis e regulamentações em relação aos medicamentos, e transportar medicamentos ilegais ou sem as devidas autorizações é considerado uma violação dessas leis.

As multas podem variar conforme o país e a gravidade da infração. Em alguns casos mais graves, pode haver consequências legais mais sérias, como detenção ou processos judiciais.

Em março de 2019, o motorista Robson Nascimento de Oliveiro foi preso por entrar no país com duas caixas de Mytedom 10mg (cloridrato de metadona). Ele estava levando o medicamento para o sogro do jogador para quem trabalhava que sofre com dores crônicas. Mesmo o remédio sendo liberado no Brasil, na Rússia ele é considerado um entorpecente e por isso Robson passou 2 anos preso do outro lado do mundo.

Mulher faz uso de bomba de asma e precisa de receita médica em inglês para viajar.
Se usa bomba de asma, insulina, entre outros, é importante contar com uma receita médica em inglês.

Então, ressaltamos que é fundamental respeitar as leis do país que você está visitando e garantir que os medicamentos que você leva estejam em conformidade com as regulamentações locais, pois além de multas, você pode correr o risco de ser acusado de tráfico internacional de drogas.

Mais uma vez: pesquise e informe-se sobre as regras específicas do país de destino antes da viagem e consulte as autoridades alfandegárias ou de saúde para obter informações atualizadas sobre as penalidades aplicáveis ao transporte de medicamentos ilegais.

Posso levar medicamentos no avião?

Sim, você pode levar na bagagem de mão e despachada, desde que siga as normas da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Não esqueça também de que os medicamentos precisam respeitar os limites de peso de bagagens determinadas pela companhia aérea. Por exemplo, o limite de peso para uma bagagem de mão é de 10kg, então se você for adicionar os seus medicamentos na mala, o peso deles somado a seus outros pertences, não deve ultrapassar o limite estabelecido.

Como transportar medicamentos em voos internacionais?

Para levar remédios em viagens internacionais, você precisa se atentar a algumas regras que te explicaremos abaixo.

Ao transportar medicamentos na bagagem de mão, é necessário mantê-los na embalagem original, devidamente rotulada com o nome do medicamento, o nome do paciente e as instruções de uso. Além disso, como mencionamos acima, tenha a receita médica em inglês para viajar em mãos para comprovar a necessidade dos medicamentos durante as inspeções de segurança. Se possível, é aconselhável levar também a original.

A receita deve conter o seu nome, a dosagem, a finalidade do medicamento e o carimbo profissional do médico que a receitou.

Medicamentos líquidos como xaropes e sprays, ou pastosos como gel, cremes e pomadas precisam estar em frascos com capacidade máxima de 100 ml dentro de uma embalagem plástica (pode ser um ziploc ou uma necessaire com plástico transparente), para facilitar a inspeção dos agentes nos aeroportos antes do embarque.

No caso de itens como seringas e agulhas (para aplicação de insulina, por exemplo), ou bombinhas de asma, também é preciso seguir as normas do voo. No Brasil, temos a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) proíbe voar com objetos cortantes a bordo. Mas caso você precise levar uma seringa, por exemplo, entre em contato com a companhia aérea para explicar o seu caso e evitar que você tenha os seus remédios jogados no lixo na hora da inspeção de bagagem.

Caso você queira levar medicamentos líquidos na sua bagagem despachada, cada frasco precisa ser de no máximo 1 litro cada e não podem passar de 5 litros. Mas é importante salientar que no caso de dano, ou extravio de bagagem, você corre o risco de ficar sem os seus medicamentos.

Além disso, no porão das aeronaves as bagagens são submetidas a temperaturas muito baixas e isso pode afetar a química dos seus medicamentos, fazendo até com que eles percam o seu efeito. Por isso, a nossa recomendação é levar os seus remédios com você.

Não esqueça do seu seguro viagem

Além de ter os seus medicamentos consigo, é importante também fazer o seu seguro viagem, afinal, um seguro garante o atendimento médico em caso de urgência e emergência durante a sua estadia fora do Brasil. Na Europa, além de ser recomendado, o seguro viagem também é obrigatório e deve contar com cobertura mínima de 30 mil euros para as despesas médicas e hospitalares (DMH).

Sugerimos verificar o site Seguros Promo, um comparador de seguros de viagem. Lá você vai achar as melhores opções de planos e seguradoras para escolher a opção que combina com o seu estilo de viagem e o seu bolso.

Boa viagem!