Salário mínimo na Europa: confira os valores por país

Europa  / 

Generalizado como um continente de oportunidades e altos ganhos, 22 dos 28 países da União Europeia têm salário mínimo fixado por lei. Países candidatos à UE e demais nações europeias também mantêm uma inconstância, dificultando determinar um padrão de salário mínimo na Europa. Com políticas que determinam a empregabilidade, qualidade de vida e retorno dos impostos à população, é preciso saber muito mais sobre o país do que apenas o valor bruto descrito no contrato. Hoje vamos te contar mais sobre o salário mínimo na Europa e quais os países do continente europeu que pagam melhor. Vamos lá?

Precisa abrir uma conta bancária na Europa?

Você pode abrir a sua conta bancária grátis em 5 minutos e com toda a segurança no N26, um banco digital que funciona em toda a Europa.


O N26 não exige comprovação de rendimentos, você só precisa estar na Europa e ter seu passaporte em mãos.

ABRIR CONTA »

Existe um salário mínimo na Europa?

A resposta é sim e não – tudo ao mesmo tempo e à maneira estipulada por cada nação. Em outras palavras, apesar de cogitações, é simplesmente incabível a imposição de um único valor para todos os países.

O salário mínimo na Europa funciona de maneira totalmente independente a seus países, respeitando políticas internas, nivelamento do poder de compra, impostos, contribuições para a segurança social, dentre tantos outros fatores.

Determinar o rendimento de acordo com o país

No continente europeu, os rendimentos podem ser estipulados por hora, por dia, semanas ou meses trabalhados. Em casos como o do Reino Unido, por exemplo, o valor é determinado a hora e também de acordo com a idade do profissional.

Normalmente com um salário mínimo na Europa é possível de manter de maneira honesta, mas sem regalias, porém o custo de vida das capitais podem ser bem mais altos que das cidades pequenas.

Antes de aceitar um emprego no exterior, veja qual o custo de vida no país, pesquise os preços de aluguel, mercado, das despesas mensais com energia, água, gás, etc. Normalmente, os salários são proporcionais ao custo de vida, mas em algumas cidades o valor do aluguel está acima da média.

Qual é o salário mínimo na Europa em 2019?

Estipulados – ou não – por lei de forma individual a cada país europeu, atualmente a variação de rendimentos entre o menor e o maior salário mínimo na Europa é bastante considerável, apresentando uma diferença de mais de 1.785€ entre eles.

Confira a lista do salário mínimo na Europa em 2019 (valores divididos em 12 meses):

  • Luxemburgo: 2.071€;
  • Irlanda: 1.656€;
  • Holanda: 1.642€;
  • Bélgica: 1.593,81€;
  • Alemanha: 1.557€;
  • Reino Unido: 1.524,52€ ;
  • França: 1.521,22€;
  • Espanha: 1.051,00€;
  • Eslovênia: 886€;
  • Malta: 760€;
  • Portugal: 700€;
  • Grécia: 683,76€;
  • Estônia: 540€;
  • Polônia: 525€;
  • República Tcheca: 520€;
  • Eslováquia: 520€;
  • Croácia: 504€;
  • Hungria: 466€;
  • Romênia: 445€;
  • Lituânia: 430€;
  • Letônia: 430€;
  • Bulgária: 286€.

*Todos os valores foram convertidos em euros para facilitar a visualização, porém nem todos os países europeus fazem parte da zona do euro. Os valores estão divididos em 12 meses (para efeitos de comparação, entretanto alguns países pagam esse valor em 14 parcelas – com o subsídio de férias

Fonte: Eurostat.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é o Remessa Online.


No Remessa Online você vai economizar até 8x nas suas transferências e, se precisar de algum suporte, o apoio ao cliente é em português. Crie a sua conta grátis e envie dinheiro com segurança.

VER COTAÇÃO »

Confira o que escrevemos sobre quanto dinheiro levar para Europa.

Diferenças entre os dados da Eurostat e dos países

No cenário geral, é possível encontrar algumas divergências na divulgação do Eurostat com os apresentados por cada país. Isso acontece inclusive porque o Gabinete de Estatísticas da União Europeia calcula também o pagamento do 13º ou 14º meses em países que adotam essa política – no caso, Portugal, Grécia e Espanha.

Para exemplificar essa questão, atualmente o salário mínimo vigente em Portugal é de 600€, mas para o Eurostat, esse valor é de 700€.

Como funciona

Alguns países europeus definem o valor da hora trabalhada e pagam seus trabalhados por semana, outros optam em pagar o valor por mês. A subida do salário mínimo normalmente é votada no congresso e varia de acordo com a inflação. Muitas nações optam em alterar o valor do salário mínimo no primeiro dia de cada ano.

Em alguns países europeus o salário também muda de acordo com a idade do trabalhador. Por exemplo, jovens com menos de 25 anos podem ganhar menos do que trabalhadores mais maduros (é o caso da Inglaterra). Já em Luxemburgo, por exemplo, trabalhadores casados ganham mais do que os solteiros.

Salário no Reino Unido

No Reino Unido o salário é calculado por hora. Atualmente (desde abril de 2019) o valor de é £8,21 por hora (para maiores de 25 anos). Se o trabalhador cumpre suas funções de 40 horas semanais irá receber o mínimo £1.313,60 (um equivalente a 1.524,52 euros). Entretanto, os trabalhadores qualificados ganham mais que o salário mínimo. Saiba mais no site do governo britânico.

Salário em Portugal

O salário mínimo em Portugal é de 600 euros mensais com 14 parcelas. Na lista acima ele aparece com 700€ divididos em 12 meses, para efeitos de comparação com os demais países europeus.

Em Portugal, um trabalhador que ganhe o ordenado mínimo paga 11% de segurança social, mas não tem Imposto de Renda (IRS) retido na fonte. Em quatro anos, o salário em Portugal subiu 19%, mas ainda é um dos mais baixos da Europa.

Como funciona o salário mínimo na Europa

Custo de vida na Europa: as 10 cidades mais baratas para viver.

Salário na Suíça

A Suíça possui um dos salários mais altos do mundo. Não existe um salário mínimo nacional estipulado por lei, mas alguns estados (cantões) determinaram que o valor mínimo mensal será de 3.480 francos suíços (cerca de 3.096€ ) por mês.

Na Suíça, um garçom, camareira de hotel ou atendente de padaria ganha pelo menos 20 francos suíços por hora (cerca de17,38 euros por hora – o dobro da maioria dos países mais ricos do continente).

Um engenheiro ou professor universitário ganha em média 12.000 francos e um especialista de finanças cerca de 14.000 francos. É claro, que os salários altos acompanham o custo de vida. Os aluguéis são a despesa mais cara mensal de uma família e que pode comprometer até um terço do salário.

Emprego na Suíça: conheça o mercado de trabalho e oportunidades.

Aumentos significativos de salários em 2019

Em 2019, alguns países europeus tiveram um aumento significativo no valor do salário mínimo. Foi o caso da Espanha, que aumentou 22,2%, a Hungria 11,2%, a República Tcheca com 10,9%, Bulgária com 9,6% e Polônia com 9,4%.

Poder de compra nos vários países europeus

É importante ressaltar que, apesar de valores tentadores praticados em muitos países europeus, antes de resolver fazer suas malas pensando exclusivamente nesse fator, vale considerar qual é o poder de compra desse salário e quanto dele será abatido por impostos diversos.

No caso de Luxemburgo, por exemplo, uma pessoa solteira e sem filhos no país tem deduzido de seus rendimentos cerca de 400€. Ou seja, de um salário mínimo de 2.071€, terá líquido algo em torno de 1.600€.

Você pode conferir também uma lista com as melhores cidades para viver na Europa.

Salários altos na Europa, não significam maior poder de compra

Portanto, altos salários não necessariamente significam paridades de poder de compra ou que esse valor entrará integralmente na sua conta bancária.

Nesse quesito, o ranking se altera ligeiramente, mostrando-se sobre a seguinte configuração, começando pelos cinco países com a melhor paridade.

Países da Europa com a melhor paridade

  • Luxemburgo;
  • Alemanha;
  • Bélgica;
  • França;
  • Irlanda.

Países da Europa com a pior paridade

E estes são os cinco países que ficaram na lanterninha no quesito relação salário mínimo e poder de compra, do pior para o “melhor”:

  • Bulgária;
  • Letônia;
  • Romênia;
  • Lituânia;
  • Croácia.

Para entender o verdadeiro valor do salário mínimo, também pode ser interessante ver o que já compartilhamos sobre o:

Quais países da Europa não têm salário mínimo?

Tamanha disparidade entre os países-membros da União Europeia resulta também na opção de alguns países em não optar pelo salário mínimo.

Até último levantamento realizado pela Eurostat, em 1º de janeiro de 2017, países como a Dinamarca, Itália, Áustria, Chipre, Suécia e Finlândia não possuem um mínimo nacional;

Países pertencentes à EFTA

Islândia, Noruega e Suíça, nações da EFTA (European Free Trade Association), também optam por não o ter.

Salário definido de acordo com cada categoria profissional

No Chipre, o salário mínimo é definido sobre os moldes de piso para cada categoria profissional, não havendo uma regra geral para o país. Os demais países citados funcionam à base de acordos coletivos a diversos setores específicos.

Os salários no norte da Europa são elevados

Mais ao norte do continente, apesar da ausência de salário mínimo definido por lei, alguns países oferecem altos rendimentos a seus trabalhadores. Na Noruega, por exemplo, a média salarial é de 4.500€, enquanto a Dinamarca pratica valores em torno de 2.700€.

Salário médio na Itália

Já ao sul, a Itália surpreende seus companheiros mediterrâneos com um atrativo salário médio de 1.000€ para profissionais com pouca qualificação. Diplomas e experiências são recompensados com rendimentos que variam entre 1.400€ e 1.850€.

Entenda melhor o motivo de não existir salário mínimo na Itália.

Melhores países para se trabalhar

De forma geral, os melhores países para se trabalhar na Europa são Luxemburgo, Suíça, Irlanda, Holanda, Áustria, Bélgica, Alemanha, Reino Unido e França. Estes países possuem economias fortes, com alguns dos salários mais altos do continente e também do mundo.

Por exemplo, a Áustria não possui um salário mínimo estipulado por lei, mas os salários médios por lá rondam os 1.900€, um país extremamente desenvolvido.

Profissões mais bem pagas na Europa: setores, salários e tendências.

Menor taxa de desemprego

Entre as menores taxas de desemprego na Europa estão Liechtenstein, Suíça, República Tcheca, Alemanha, Malta e Holanda. Confira as taxas atuais:

  • Liechtenstein: 1,90%;
  • Suíça: 2,10%;
  • República Tcheca: 2,70%;
  • Alemanha: 3,10%;
  • Malta: 3,40%;
  • Holanda: 3,50%.

Atualmente a taxa de desemprego na União Europeia é de 6,2% (agosto de 2019). Alguns países ainda não conseguiram superar totalmente a crise financeira mundial e ainda têm taxas altas de desemprego, que é o caso da Grécia (16,70%), Montenegro (14,51%), Espanha (13,92%) e Turquia (13,90%).

Comparação com o salário no Brasil

No Brasil atualmente, o salário mínimo é de R$998,00 reais, o equivalente a 220,46€. Alguns estados brasileiros possuem salários estudais maiores (piso salarial) e não seguem o decreto federal. Como é o caso do Paraná, que possui um salário mínimo de R$1.509,20 para técnicos de nível médio ou com formação superior.

Tradicionalmente, o salário brasileiro altera de valor sempre no dia 01 de janeiro de cada ano. A expectativa que é o salário mínimo nacional suba para R$ 1.039,00 em janeiro de 2020. Atualmente a inflação no Brasil está em 2,89%, uma das baixas dos últimos anos.

Em destaque no Euro Dicas
  • Sabia que é obrigatório ter Seguro de Viagem para entrar na Europa?

    Seja para morar ou visitar, a imigração pode exigir esse documento no país destino. Se você não tiver, será obrigado a voltar ao Brasil. Em parceria com a Seguros Promo garantimos aos nossos leitores o melhor preço de seguro de viagem.

    COTAR SEGURO »
  • Precisa enviar dinheiro para outro país?

    A nossa plataforma preferida é o Remessa Online. No Remessa Online você vai economizar até 8x nas suas transferências e, se precisar de algum suporte, o apoio ao cliente é em português. Crie a sua conta grátis e envie dinheiro com segurança.

    VER COTAÇÃO »
  • Pensando em morar em Portugal?

    Escrevemos um guia com todos os passos necessários para organizar a sua saída do Brasil com rapidez, segurança e sem complicações. Receba grátis o índice e primeiras páginas.

    RECEBER AMOSTRA »
COMPARTILHE
Autores

Amanda é brasileira, jornalista, mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Mora desde 2014 em Portugal. Escreve para seu site Vagas pelo Mundo sobre oportunidades de emprego, a experiência de morar fora, bolsas de estudo e vistos para morar no exterior.

Brasileira, tem formação em Design de Games e Comunicação em Computação Gráfica. Apaixonada por tecnologia, cinema e literatura, desapegou e foi viver na Europa em 2015. De volta ao Brasil, hoje é grande entusiasta de um estilo de vida quase nômade.