A chegada de um filho traz alegria e descobertas, não importa onde você esteja. No entanto, viver em um outro país pode potencializar ainda mais as mudanças nos hábitos e nas despesas familiares. Aí vem a questão: quanto custa ter um filho em Portugal, por exemplo?

Reunimos alguns aspectos a considerar, desde o planejamento até os custos educacionais, para ajudar você a expandir sua família no país luso.

Quanto custa ter um filho em Portugal?

O custo mensal médio de um filho em Portugal é de 738€, de acordo com o Inquérito aos Orçamentos Familiares, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) em dezembro de 2023. No entanto, esse valor depende de uma série de fatores.

O levantamento anual aponta que as famílias com crianças dependentes gastam anualmente, cerca de 8.861€ a mais do que famílias sem crianças dependentes, certamente um aumento considerável no custo de vida em Portugal.

Ainda segundo o INE, há um aumento médio de 20% nas despesas mensais nos primeiros 6 meses do nascimento da criança. No relatório sobre o que muda no padrão de despesas das famílias após a chegada do primeiro filho, é possível acompanhar todos os custos agregados na primeira fase do bebê.

Dentre os principais gastos, 52% das despesas são no setor do retalho (alimentos, vestuário, calçado, higiene, enxoval), 36% na saúde, 16% na eletricidade e gás, e 9% na água. Claro que esses valores são uma média geral do país e não devem ser tratados de maneira absoluta.

Em resumo, ao tratar de custos, planejamos uma vida inteira, da descoberta da gestação até gastos a longo prazo, como a faculdade em Portugal.

Comprar euro mais barato?

A melhor forma de garantir a moeda europeia é através de um cartão de débito internacional. Recomendamos o Cartão da Wise, ele é multimoeda, tem o melhor câmbio e você pode utilizá-lo para compras e transferências pelo mundo. Não perca dinheiro com taxas, economize com a Wise.

Cotar Agora →
Quer morar em Portugal legalmente e com segurança?

Recomendamos a assessoria da Madeira da Costa, uma sociedade de advogados experientes para auxiliar na sua solicitação de vistos, autorização de residência, cidadania e outros trâmites. É da nossa confiança.

ENTRAR EM CONTATO →

Como calcular o custo mensal de um filho em Portugal?

Calcular quanto representa o custo de um filho no orçamento não é uma tarefa tão fácil, visto que cada família tem suas próprias necessidades, em Portugal ou em qualquer lugar que esteja.

Enquanto alguns pais se asseguram em garantir o essencial para o crescimento saudável da criança, outros preferem montar um enxoval mais completo com produtos específicos e, muitas vezes, mais caros.

Além disso, outras questões são levadas em consideração, dentre elas, a cidade em que se decide aumentar a família. Essa decisão pode refletir não só no valor de um aluguel em Portugal de uma casa maior, mas nos gastos com saúde, alimentação, educação e lazer.

Contudo, tenha calma! Com informação e planejamento é possível se preparar e se organizar para ser mãe em Portugal. Isso com certeza te dará mais luz e mais segurança nesse o futuro lindo que está por vir!

Planejamento familiar

Para algumas famílias, a chegada de um filho é muito aguardada. Já para outras, a notícia pode surgir como uma grande surpresa. Nos dois casos, uma coisa é certa: o planejamento familiar é fundamental para ajudar com as mudanças tanto da vida, quanto do orçamento.

Existem algumas dicas gerais para ajudar a elaborar um planejamento familiar com ou sem filhos. Identificar os ganhos e gastos, as despesas, as dívidas, os rendimentos, etc. E, ao descobrir que a família vai aumentar, é natural pensar logo naquelas despesas previsíveis, como fraldas, berço, carrinho. No entanto, vá um pouco além!

Pesquise alguns pontos importantes e coloque tudo no papel:

  • Despesas médicas e pré-natais: durante a gravidez, é essencial fazer consultas médicas regulares e exames pré-natais. Esses custos podem variar e até ser gratuitos (no setor público). Porém, é importante estar preparado financeiramente para cobrir emergências relacionadas à saúde;
  • Licença maternidade e auxílio de renda: além das mães, muitos pais tiram a licença parental para cuidar do recém-nascido. Entenda as opções para seu caso e saiba quais são os abonos e subsídios sociais relacionados a filhos;
  • Creche e cuidados infantis: apesar de não ser obrigatória, se ambos os pais trabalham, é importante verificar como funcionam as creches ou considerar uma babá;
  • Seguro saúde: verifique se o bebê está coberto pelo plano ou seguro de saúde da família, caso opte pelo atendimento na saúde privada em Portugal.

Ainda na gestação podem surgir outros gastos com suplementação, roupas adaptáveis e o que será preciso adquirir para o conforto da futura mamãe durante essa fase. E o principal para a chegada do bebê: o parto.

Parto em Portugal

Os cuidados do pré-natal e parto em Portugal são semelhantes aos do Brasil, com foco no cuidado integral da mãe e do bebê, tanto no atendimento público, como no privado.

Durante a gravidez, as gestantes recebem acompanhamento contínuo de uma equipe responsável por realizar os exames e oferecer suporte constante. Isso assegura o bem-estar tanto da mãe quanto do bebê e garante um desenvolvimento saudável de ambos.

No que diz respeito ao parto, diferentemente do Brasil, em Portugal o parto normal é mais comum e também o mais incentivado. No país luso a cesariana só é feita em caso de riscos para mãe ou para o bebê. Pelo menos, no sistema de saúde público que é muito bem avaliado.

Parto no sistema público de saúde

O sistema de saúde português, conhecido como Serviço Nacional de Saúde (SNS), é universal e gratuito para todos os cidadãos portugueses e residentes legais. Ou seja, as mulheres estrangeiras que decidem morar em Portugal têm os mesmos direitos e recebem os mesmos cuidados médicos.

É importante destacar que estar em situação ilegal é diferente de estar em situação irregular (e nem sempre regularizar a situação é um processo rápido).

Neste sentido, segundo o site ePortugal, administrado pelo governo, as mulheres grávidas que ainda não possuem autorização de residência em Portugal têm direito a realizar consultas médicas gratuitas. Contudo, precisam apresentar um atestado de residência emitido pela Junta da Freguesia, comprovando que residem no país há mais de 90 dias.

Para usufruir do atendimento, as mulheres grávidas devem se registar no Centro de Saúde local o mais cedo possível para garantir um acompanhamento pré-natal adequado.

No guia para grávidas, preparado pelo portal do SNS, é possível ter um primeiro direcionamento. No entanto, as mães receberão orientações ainda mais detalhadas durante as consultas pré-natais. Nesta fase é elaborado o chamado “plano de parto”. O documento registra as preferências e expectativas da gestante e serve como guia para os profissionais de saúde na hora do parto.

Parto no sistema privado de saúde

Outra alternativa é realizar o pré-natal e o parto em Portugal por meio do sistema de saúde privado. Dessa maneira, é possível ter um atendimento mais rápido com médicos especialistas, por exemplo. No entanto, é importante estar ciente dos custos significativos envolvidos.

Para se ter uma ideia, uma consulta com um obstetra particular pode chegar a custar entre 80€ a 150€. Sem considerar os custos adicionais de exames, medicamentos, e do próprio parto. Neste caso, ter um plano de saúde em Portugal ou um seguro saúde pode te auxiliar financeiramente, uma vez que os valores diminuem com a comparticipação.

Tem parto gratuito em Portugal?

Sim. Como você viu acima, o SNS oferece um acompanhamento gratuito do pré-natal ao pós-parto. Basta já ter cadastro no sistema e número de utente (como são chamados os usuários do sistema de saúde).

Na gravidez, as mulheres têm direito a consultas regulares com médicos, enfermeiros e parteiras no SNS. Essas consultas incluem exames de rotina, laboratoriais, ultrassonografias e orientações sobre cuidados pré-natais. Durante o trabalho de parto, as gestantes são acompanhadas por parteiras e médicos. Além disso, o SNS também oferece apoio psicológico e emocional ao longo de todo o processo e no pós-parto.

O parto em si também é gratuito, incluindo a anestesia epidural e outras formas de analgesia. A maioria dos partos ocorre nas melhores maternidades de Portugal, onde a equipe médica está preparada para lidar com qualquer complicação.

Com o passar dos anos, o parto em casa também tem sido uma opção procurada em Portugal. Porém, é importante ter um plano de parto muito detalhado e uma equipe de apoio qualificada presente. No pós-parto, as mulheres ainda têm direito a acompanhamento gratuito, incluindo consultas médicas e apoio à amamentação. O SNS e outras organizações gratuitas também oferecem visitas domiciliares de especialistas para auxiliar nos cuidados com o recém-nascido.

É importante destacar que o parto gratuito em Portugal é um direito garantido a todas as gestantes, independentemente da sua situação financeira.

Enxoval do bebê

Para muitas mães, montar o enxoval do bebê é a parte mais legal de pensar e organizar. Por outro lado, também pode ser um momento de tensão na hora de calcular quanto custa ter um filho em Portugal.

Roupas infantis em prateleiras de loja de departamento em Portugal.
Uma lista com o que é essencial, necessário e supérfluo diminui os custos das compras do enxoval. Foto: Ane Pacola.

A boa notícia é que, no geral, o custo do enxoval em Portugal costuma ser mais barato que no Brasil. Isso porque há muitas opções de lojas de departamento com preços muito mais acessíveis, como as conhecidas Zara e C&A, e ainda as famosas H&M e Primark, por exemplo. Ah, e a queridinha de todo imigrante: a Ikea que tem opções de mobília e muitos acessórios para casa.

Outras marcas bem famosas no Brasil, também são encontradas por preços menores em Portugal, como a Zippy, a Chicco e a Maxi-Cosi.

Além disso, as grandes redes de supermercados oferecem uma variedade de produtos para o setor infantil que vai desde móveis para o quarto até lenços umedecidos. Essas redes também têm produtos de marcas próprias que são mais baratos e de qualidade.

Dicas para economizar na compra do enxoval

A dica para economizar na compra de um enxoval de bebê bonito e funcional é, em primeiro lugar, ter planejamento e organização. E como fazer isso no meio de tanta coisa para pensar? Vem ver como é possível:

  • Faça uma lista: comece por ela. Você evita compras por impulso e garante que não vai esquecer de nada. Principalmente o que é verdadeiramente essencial;
  • Pesquise e defina um orçamento: use a internet para facilitar. Assim, você tem uma base de preço e um orçamento realista. Isso vai te ajudar a controlar gastos e evitar dívidas;
  • Evite comprar grandes quantidades de produtos: é arriscado comprar alguns itens sem antes experimentar no bebê. A criança pode não se adaptar ou o produto pode não ter a qualidade desejada;
  • Opte por peças versáteis e duráveis: roupas com regulagem de tamanho e calças com elástico na cintura, por exemplo;
  • Produtos de segunda mão: uma ótima maneira de economizar, especialmente em itens que o bebê vai usar por pouco tempo. Portugal tem muitas lojas e grupos nas redes sociais de compra e venda de produtos seminovos de qualidade;
  • Peça emprestado: converse com amigos e familiares que já tiveram filhos e pergunte sobre emprestar alguns itens como equipamentos que não vá usar por um longo período;
  • Promoções e saldos: você pode encontrar ótimas ofertas, especialmente em itens fora de temporada.

Converse também com outros pais experientes e filtre o que faz sentido para você. Eles certamente terão algumas dicas que evitarão compras desnecessárias.

A Mila Horch, que vive em Braga, conta como foi organizar o enxoval da sua filha Clara, em Portugal. Nesse vídeo, ela também dá algumas dicas valiosas do que vale a pena comprar em lojas físicas ou online. Confira:

Não tenha medo de pedir ajuda aos seus familiares e amigos. Sabemos que nem sempre é possível ter a família por perto em Portugal, mas construir uma rede de apoio pode deixar esse momento muito mais incrível!

E lembre-se, o mais importante é o amor e o carinho que você dá ao seu bebê, não a quantidade de coisas que ele tem.

Educação em Portugal

A idade obrigatória para a criança começar a estudar em Portugal é a partir dos 6 anos. No entanto, a partir dos 3 meses de idade, as creches (ou infantários) e o pré-escolar estão preparados para receber os pequenos, tanto na rede pública, como no ensino particular, caso os pais prefiram.

O sistema educacional obrigatório em Portugal é dividido em ensino básico e secundário (no Brasil, conhecidos como ensino fundamental e médio) e é amplamente subsidiado pelo Estado. O que torna o ensino público para crianças e adolescentes muito acessível em todo o país.

Quando a criança é matriculada em uma escola pública de Portugal, não há cobrança de mensalidades. No entanto, os responsáveis devem arcar basicamente apenas com pequenos custos de alimentação dos estudantes na escola, visitas de estudo e material escolar básico (uma lista bem menor do que as escolas pedem no Brasil).

Crianças andam em grupos em direção à escola
O governo prioriza o acesso à educação com apoios às famílias, por isso as vagas são muito disputadas. Foto: Ane Pacola.

Na rede pública, os livros didáticos são disponibilizados gratuitamente pelo governo através de um voucher emitido no site MEGA – Manuais Escolares Gratuitos.

Sobre a alimentação, o valor pago varia de acordo com a renda familiar e é estipulado por escalões de subsídio da Ação Social Escolar (ASE). A atribuição depende do valor do abono de família destinado a crianças e jovens residentes em Portugal. O abono da Segurança Social é dividido em 4 escalões e leva em consideração o rendimento anual de cada família que determina o acesso à assistência e o valor a ser recebido.

Em 2024, de acordo com o governo português, o Orçamento do Estado tem o maior aumento no apoio às famílias e esse reforço se estende a várias esferas no orçamento familiar. Um importante fator na diminuição dos custos para ter um filho em Portugal. Embora as escolas públicas sejam praticamente gratuitas e mantenham um padrão de educação elevado, muitas famílias escolhem as escolas privadas por uma série de razões.

No ensino privado, as turmas tendem a ser menores, o que permite uma atenção mais individualizada aos alunos. Além disso, essas escolas frequentemente adotam métodos de ensino alternativos e oferecem recursos adicionais, como ensino de outros idiomas, especialmente nas escolas internacionais.

Valores das mensalidades

Os valores das mensalidades nas escolas privadas podem variar consideravelmente e geralmente refletem a qualidade e os serviços oferecidos em cada instituição. Para ter uma base, confira na tabela os valores de creche, pré-escola, ensino básico e secundário no setor público e privado em Portugal:

Nível de ensino Público Privado
Creche (a partir dos 3 meses aos 3 anos) Gratuito Entre 200€ e 300€ por mês
Pré-escolar (3 a 6 anos) Gratuito Entre 200€ e 600€ por mês
Ensino Básico (6 a 14 anos) Gratuito Entre 2.250€ e 7.000€ por ano
Ensino Secundário (15 a 17 anos) Gratuito Entre 2.650€ e 6.000€ por ano

Os valores apresentados variam devido a diversos fatores, como a localização da escola, o tipo de ensino (no caso do secundário, se tecnológico, artístico, profissional ou científico-humanístico) e outras atividades oferecidas.

Outra boa notícia para diminuir custos é que o passe gratuito no transporte público é ofertado para todos os estudantes. Até os 23 anos, os alunos, tanto da rede pública quanto da particular, não pagam para se locomover em Portugal. Além disso, também existem bolsas de estudo para alunos com bom desempenho escolar na rede privada de ensino.

Custos adicionais no ensino privado

Além da mensalidade, o custo de um filho nas escolas particulares de Portugal é de responsabilidade integral dos responsáveis por ele. No ensino privado, por exemplo, o uso de uniformes ainda pode ser obrigatório, e há outros gastos a serem considerados. Dentre eles, destacam-se:

  • Material escolar: entre 100€ e 200€ por ano;
  • Refeições: entre 50€ e 100€ por mês (se a criança não levar lanche de casa). No caso das creches, geralmente no valor mensal já está inclusa alimentação;
  • Transporte particular: entre 50€ e 100€ por mês (opcional);
  • Atividades extracurriculares opcionais: entre 20€ e 100€ por mês.

Faculdade em Portugal

A faculdade em Portugal é muito valorizada. Não é à toa que as instituições de ensino são reconhecidas mundialmente, atraindo muitos brasileiros para viver no país.

Além dos ensinos básico e secundário, que são obrigatórios, a graduação dos jovens no país luso apresenta algumas diferenças em relação ao Brasil. Para calcular quanto custa a longo prazo ter um filho, é importante entender quanto custa estudar em Portugal.

Para começar, não existe faculdade gratuita em Portugal. Independentemente de ser uma universidade pública ou privada, você precisará arcar com os custos da anuidade. As chamadas propinas. No entanto, essa regra não se aplica caso seu filho tenha uma bolsa de estudos que cubra essas despesas, ou parte delas.

E quanto custa uma faculdade em Portugal? A resposta depende da instituição, do curso escolhido e do tipo de regime de estudo, se integral ou parcial. No geral, a anuidade de uma universidade pública é menor do que uma faculdade particular (apesar da concorrência).

As universidades também praticam preços diferentes para estudantes nacionais e estrangeiros. Ou seja, ter um filho em Portugal, significa que ele será um cidadão português. Logo, os custos serão mais baixos.

Divisão do sistema educacional

O sistema educacional na graduação é dividido em três ciclos principais: licenciatura, mestrado e doutoramento (o doutorado).

  • Licenciatura (1º ciclo): a graduação em Portugal é chamada de licenciatura e é semelhante à graduação no Brasil. Porém, a duração é de 3 anos. A diferença é que existem as licenciaturas com mestrado integrado, e nesse caso, a duração de um curso é de 5 anos;
  • Mestrado (2º ciclo): o mestrado em Portugal tem foco no mercado de trabalho e é mais parecido com um MBA. Diferentemente do Brasil, o mestrado aqui não é necessariamente voltado para a área acadêmica;
  • Doutoramento (3º ciclo): para seguir a carreira acadêmica é preciso cursar o doutorado. Ele prepara o profissional para ser pesquisador/professor universitário. As universidades em Portugal são muito reconhecidas pelo doutoramento. E após esse passo, é possível fazer pós-doutorado e obter o título de PhD.

Em 2024, o custo de uma licenciatura para um aluno português começa em 697€ por ano. Isso em instituições públicas como na Universidade de Lisboa e na Universidade do Porto. Esse valor pode ser dividido, geralmente em 10 vezes sem juros, mas a quantidade de parcelas varia de acordo com cada faculdade.

Valores das universidades

Selecionamos algumas universidades, públicas e privadas, para apresentar os custos de uma licenciatura em Portugal. Como exemplo, veja os valores do curso de Direito no ano letivo 2024/2025:

Instituição   Ensino Propina (anual)
Universidade de Lisboa Público 697€ (parcelados em 10x)
Universidade do Porto Público 697€ (parcelados em 10x + 2€ de seguro escolar)
Universidade de Coimbra Público 1.750€ (parcelados em 12x)
Universidade Lusófona Privado 1.977€ média semestral para 30 ECTS*
Universidade Católica Portuguesa Privado 2.775€ média semestral para 30 ECTS*
Universidade Fernando Pessoa** Privado 3.500€ (parcelados em 10x)

*ECTS é o Sistema Europeu de Transferência de Créditos, utilizado para calcular a carga acadêmica em Portugal. Geralmente, um semestre corresponde a 30 ECTS, e algumas universidades dividem o pagamento em 5 mensalidades. Ou seja, na Universidade Católica Portuguesa, por exemplo, o custo por ECT no curso de Direito é de 18,50€, um total de 555€ para 30 créditos. Esse valor é distribuído ao longo de 5 meses, resultando em um custo total de 2.775€ por semestre, ou 5.550€ por ano.

**A Universidade Fernando Pessoa não tem o curso de Direito, mas a licenciatura em Criminologia. A faculdade também oferece desconto para pagamento de anuidade em prestação única, no ato da matrícula.

É importante lembrar que, além da anuidade, é preciso contabilizar algumas taxas administrativas, como inscrição e matrícula, que variam conforme a instituição. Somados a isso, também os custos com livros, materiais e atividades extracurriculares do aluno.

Lazer e atividades extracurriculares

O lazer e as atividades extracurriculares são fundamentais no desenvolvimento das crianças e adolescentes, indo além das salas de aula, mas refletindo diretamente em seu desempenho acadêmico. Isso ocorre porque, ao se envolverem em atividades pelas quais são apaixonadas, as crianças ficam mais motivadas para aprender e podem transferir as competências adquiridas para o ambiente escolar.

Portanto, ao pensar nos custos de ter um filho em Portugal, considere todos os benefícios que essas atividades promovem. Desde interações sociais, criativas, intelectuais, mobilidade física até a o desenvolvimento de habilidades como disciplina e gerenciamento de tempo. Importantes para um crescimento saudável!

De acordo com um estudo divulgado pela Porto Editora, reconhecido portal sobre educação em Portugal, ao interagir com os colegas e colaborar em projetos, a criança aprende a trabalhar em equipe, se comunicar melhor e gerenciar suas emoções. Além disso, esse envolvimento contribui para a construção de sua identidade, autoconfiança e um sentimento de realização.

Famílias andam em feira livre, em parque de Lisboa, Portugal
Portugal oferece atividades gratuitas de lazer com os filhos, como as feiras em parques por todo país. Foto: Ane Pacola.

Dentre as atividades extracurriculares mais procuradas em Portugal estão aulas de dança, música, teatro, esportes, clubes acadêmicos, estimulação linguística e tecnologia. Através delas, as crianças têm a oportunidade de desenvolver suas competências, cultivar interesses, descobrindo até talentos ocultos.

A dança é uma escolha popular entre as crianças portuguesas. Escolas como a Ent’Artes em Braga e Chaves, o Conservatório de Dança em Vila Nova de Famalicão e a DNA – Dance N’Arts School em Coimbra oferecem modalidades como ballet clássico, dança contemporânea e jazz. A Jazzy Dance Studios, com escolas em Lisboa, Porto e Vila Nova de Gaia, também é uma referência nacional para aulas de dança, incluindo hip hop, jazz e muito mais.

A ligação à música também é muito valorizada em Portugal. Escolas como a Dance Spot em Lisboa oferecem aulas de música, canto e dança, incluindo sapateado.

Já no esporte, faculdades como a Universidade de Lisboa, através da EULisboa, e muitos clubes oferecem aulas para crianças e adultos, como a Escola de Futebol Força Portimonense no Algarve e o Sport Club do Porto, que além do futebol, ofertam diversas modalidades como tênis, judô, natação e até ginástica para bebês.

É importante que os pais e responsáveis incentivem a participação dos filhos nessas atividades, mas também respeitem os desejos e os limites das crianças para não sobrecarregá-las.

Custos de atividades extracurriculares em Portugal

Os custos das atividades extracurriculares para crianças em Portugal podem variar dependendo do tipo de atividade, localização e quem fornece a atividade. Veja na tabela alguns custos médios mensais em diversas atividades no país:

Atividade  Frequência semanal Valor mensal
Música 1 a 2 vezes 20€ a 40€
Dança 1 a 7 vezes 30€ a 60€
Teatro 1 a 2 vezes 30€ a 50€
Tênis 1 a 3 vezes 40€ a 80€
Natação (a partir de 6 meses de idade) 1 a 2 vezes 32€ a 42€
Futebol / Basquetebol / Voleibol 1 a 3 vezes 22€ a 32€

Lembre-se que esses custos para um filho são apenas estimativas e podem variar conforme a região de Portugal. Além de gastos adicionais como uniformes, outros materiais ou taxas. Por isso, entre em contato com os locais de atendimento para obter mais informações e opções disponíveis.

Atividades gratuitas ou subsidiadas

Algumas escolas e organizações de Portugal oferecem atividades extracurriculares gratuitas ou subsidiadas pelo governo para crianças com base em necessidades financeiras. Um exemplo é o Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC). Verifique as escolas locais, centros comunitários e organizações sem fins lucrativos e saiba quais são as opções disponíveis na sua cidade.

Roupas e sapatos

Nos custos de um filho, assim como o enxoval, a renovação completa de um guarda-roupa à medida que a criança cresce também pode sair bem mais barato em Portugal do que no Brasil. Para ilustrar essa diferença, comparamos algumas peças básicas do vestuário, até 6 anos de idade, das lojas Zara nos dois países. Confira:

Produto Preço Portugal Preço Brasil
Kit com 3 camisetas manga curta 9,95€ R$95
Kit com 3 pares de meias 3,95€ R$39
Conjunto de camiseta e bermuda 12,95€ R$129
Calça jeans 17,95€ R$269
Vestido verão 25,95€ R$169
Casaco acolchoado inverno 19,95€ R$239
Tênis branco 19,95€ R$169
Sandália estilo papete 22,95€ R$179
Total 133,6€ R$1.288 

(235,27€ – cotação do Euro a R$5,48)

Os produtos comparados foram os mesmos (ou similares) nos sites do Brasil e de Portugal. Vale lembrar que os preços podem alterar conforme época do ano e promoções.

Seguro saúde

Apesar de não ser obrigatório, optar por um seguro saúde garante tarifas mais baixas na rede de saúde privada em Portugal. Ele facilita e agiliza os serviços médicos particulares por preços muito mais acessíveis, além de incluir serviços de hospitalização, ambulatório ou assistência em caso de doenças graves.

De acordo com dados da Associação Portuguesa de Seguradores, até o primeiro semestre de 2023, quase 3,6 milhões de portugueses tinham seguro de saúde, o que representa mais de um terço da população.

Os custos para contratar um seguro saúde para seu filho em Portugal variam de acordo com a seguradora e a idade do segurado. Em resumo, você paga uma anuidade fixa, que pode ser parcelada mensalmente. As taxas de comparticipação adicionais são cobradas apenas quando precisar de atendimento.

A seguir, veja as cotações em 3 seguradas sugeridas pela qualidade no simulador da Deco Proteste:

Seguradora Idade do segurado Plano Valor anual
Asisa Recém-nascido +Saúde Plus 343,90€
Mgen Recém-nascido Plano Ideal 575,54€
Médis Recém-nascido Opção 3 983,61€
Mgen 10 anos Plano Essencial 275,82€
Asisa 10 anos +Saúde Premium 576,78€
Médis 10 anos Opção 3 820,54€
Mgen 18 anos Plano Essencial 286,46€
Asisa 18 anos +Saúde Premium 576,78€
Médis 18 anos Opção 3 922,07€

Todos os planos cotados na tabela incluem hospitalização, ambulatório, estomatologia, próteses, medicamentos e assistência médica, inclusive a domicílio. Os valores simulados são de abril de 2024.

Balanço: quanto custa ter um filho em Portugal?

Depois de tanta informação, é normal se sentir um pouco confuso! Mas calma, para facilitar, fizemos um balanço dos custos mensais médios de uma criança de 5 anos. Confira na tabela:

Categoria  Custo mensal 
Educação pré-escolar (privada) 400€
Seguro saúde* 33,33€
Alimentação** 300€
Roupas / sapatos / brinquedos 50€
Atividades extracurriculares 40€
Lazer (passeios / parques / restaurantes / cinema) 30€
Transporte próprio ou transporte escolar privado 60€
Total 913,33€

*O preço médio anual de um seguro saúde para uma criança de 5 anos é cerca de 400€. Os valores também podem variar se o seguro incluir outros membros da família. Consulte as seguradoras ou o simulador da Deco Proteste para fazer uma cotação.

**Na alimentação já estão inclusas as refeições que a criança levará de casa para escola.

É importante lembrar que esses valores são estimativas e podem alterar substancialmente, por exemplo, se a educação for na rede pública e a família optar pelo SNS, assim como a opção de transporte.

Vale a pena ter filho em Portugal?

A resposta depende. Se tomar por base os dados estáticos, a resposta será sim! Afinal, comparado ao Brasil, em Portugal há um decréscimo significativo nos gastos. Além disso, a qualidade de vida, a sensação de segurança e o convívio multicultural diário também são pontos muito positivos para a criação de uma criança. Sem contar a facilidade da língua e o clima ameno, é claro!

Experiências com brasileiros com filhos em Portugal

Eu não tenho filhos, mas convivo com famílias com crianças e conheço algumas boas histórias. Uma amiga brasileira que mora em Lisboa, tem dois filhos pequenos. Ela conta que a segurança, o lazer e, principalmente, o acesso à saúde de qualidade é muito mais possível, mesmo com pouco dinheiro. Ela inclusive, precisou realizar um tratamento de fertilização in vitro para engravidar. Um sonho que, segundo ela, só se tornou viável financeiramente em Portugal.

Outro amigo brasileiro, que teve seu filho na Alemanha, diz que lá os acessos são mais complicados e que a integração da criança foi muito mais trabalhosa. Depois de vir morar em Portugal com a família, ele percebeu essa diferença. Para ele, que mora no Porto, os avanços no desenvolvimento são mais expressivos aqui porque a criança tem mais autonomia.

Por outro lado, é sempre bom colocar na balança e entender o que faz sentido para você. Ser responsável por uma nova vida, imerso em uma cultura diferente pode ser bastante radical. Principalmente se é recém-chegado no país. E os desafios de criar um filho no exterior são muitos! Especialmente porque, na maioria dos casos, não é possível estar próximo do restante da família.

Portanto, reflita, converse com pessoas próximas, crie laços, planeje-se. Só você poderá responder precisamente essa pergunta, mas espero que esse texto tenha te ajudado!