Cada vez mais pessoas sonham em sair do Brasil quando se aposentarem em busca de novos ares, uma qualidade de vida melhor e até pelos benefícios de outros países para aposentados. Se você tem o sonho de se aposentar na Europa, este artigo pode ajudar. Vamos falar sobre os melhores países para morar, as burocracias que envolvem o processo e se de fato vale a pena mergulhar nessa aventura.

Melhores países para se aposentar na Europa

A consultora International Living divulgou este ano um estudo que elegeu os melhores países para aposentados em 2021. A pesquisa, que está na sua 30ª edição, reúne dados de 25 países e avalia questões como moradia, infraestrutura e custo de vida.

O estudo traz informações abrangentes e essenciais para ajudar a encontrar o país dos sonhos para viver a aposentadoria no exterior. Veja a seguir, os cinco primeiros países que aparecem no ranking de melhores para se aposentar na Europa.

1. Portugal

O primeiro país europeu a aparecer no ranking de melhores países para aposentar em 2021 foi Portugal. Se pensarmos no custo de vida em Portugal, com certeza o país luso é uma excelente opção para viver depois de aposentar já que é o segundo país mais barato para viver na Europa perdendo apenas para a Bulgária.

Portugal possui um bom serviço de transporte público e especialmente nas cidades maiores, como Lisboa ou Porto, é possível ir para todos os lugares de metrô, trem e ônibus.

A facilidade para se deslocar, custo de vida baixo e a hospitalidade dos nativos são alguns dos motivos para Portugal ser considerado o melhor país para se aposentar na Europa.

Ainda há uma lei de incentivo para receber aposentados do mundo todo que queiram morar em Portugal, uma vez que provem que tenham recursos financeiros suficientes para viver no país. Existem até isenção de impostos e benefícios fiscais para aposentados.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é a Wise. É seguro, rápido e fácil de utilizar.

Ver Cotação →

Se você é aposentado e sonha em morar em Portugal, não deixe de adquirir o nosso Ebook para aposentados.

2. França

A França fica com o segundo lugar entre os melhores países para se aposentar na Europa. Conhecido por ser um país diversificado e dinâmico, tem lugares para aposentados de todos os gostos e bolsos. Da charmosa Paris aos campos de lavanda na Provença, pode ser um verdadeiro sonho se aposentar na França.

Apesar de pensarmos em sofisticação quando falamos da França, o estilo de vida do país não é necessariamente caro e o custo de vida varia bastante de acordo com o lugar. Cidades grandes como Paris e Lyon com certeza tem um custo elevado, mas existem lugares mais acessíveis e dá para viver com pouco nas cidades pequenas da França.

Viver como aposentado na Europa

A saúde francesa, que é um fator essencial para aposentados, pode ser uma vantagem. O país possui um dos melhores sistemas de saúde do mundo e os seus residentes têm acesso ao sistema com preços reduzidos. Depois de três meses vivendo lá, os estrangeiros têm direito à cobertura universal.

Não existem restrições de idade ou limitações de doenças preexistentes. Apenas é necessário pagar uma percentagem da sua renda anual para se associar ao sistema de saúde francês.

Como qualquer país, existem vantagens e desvantagens de morar na França. Pensando na vida social, não vai faltar coisas para fazer, inclusive hobbies como aulas de culinária, artes, artesanatos e clubes ao ar livre.

3. Malta

Malta ocupa a terceira posição entre os melhores países para se aposentar na Europa. O país que fica no coração do Mediterrâneo tem uma das melhores qualidades de vida do continente. O arquipélago é formado por três ilhas, Malta, Gozo e Comino, com uma população de aproximadamente 500.000 pessoas. Malta e Gozo são as ilhas habitadas e Comino é parcialmente habitada.

O país oferece muita riqueza histórica e arquitetônica, clima estável e um dos maiores números de horas de sol por ano do continente. Os moradores relatam que o céu azul aparece praticamente todos os dias.

Também é muito conhecida por ter alimentos frescos locais, com valores razoáveis. O custo de vida em Malta é mais acessível no campo e morar nas cidades e praias pode custar bem mais caro.

O país possui serviços modernos de saúde e se tornou popular para o turismo médico, o que é uma vantagem para os aposentados. Os cidadãos de Malta podem optar por serviços públicos gratuitos de saúde ou clínicas privadas e pagas. Alguns seguros possuem descontos no setor privado.

A localização do arquipélago é uma grande vantagem. Malta está próximo do sul da Itália, a leste da Tunísia e ao norte da Líbia. Com um voo rápido é possível chegar na Grécia, Síria, Turquia, Egito, Marrocos, Espanha, entre outros lugares.

4. Espanha

Na quarta posição do ranking de melhores países para aposentar na Europa está a Espanha. O país se destaca pela infraestrutura, com transporte público eficiente e estradas conservadas, além de ter um litoral extenso e clima favorável, especialmente para nós brasileiros.

A Espanha também tem um povo simpático, que acolhe estrangeiros, deliciosa culinária, bons sistemas de saúde e educação, segurança, riqueza cultural e cidades com excelente qualidade de vida.

Mesmo com a desvalorização do real, ainda pode ser possível viver na Espanha, já que o país tem um dos menores custo de vida da Europa.

Para citar um exemplo importante para aposentados, enquanto se paga cerca de 300€ por mês por um bom plano de saúde privado no Brasil, na Espanha o preço é inferior a 100€ mensais. E depois de dois anos de residência legal no país é possível solicitar a cidadania espanhola e o acesso ao sistema público de saúde.

No cenário pós-pandemia existe uma outra vantagem para se morar na Espanha como aposentado. As cidades mais turísticas que sofreram um impacto maior pela falta dos visitantes baixaram os aluguéis de forma significativa e os proprietários que alugavam antes para turistas tiveram que reajustar os valores para atrair os locais.

5. Irlanda

A Irlanda foi considerada o quinto melhor país para se aposentar na Europa. A Ilha da Esmeralda, conhecida por deslumbrantes paisagens verdes, já atrai milhares de estudantes para fazer um curso de inglês e parece que vem atraindo também aposentados.

A pesquisa da International Living aponta a Irlanda como um bom lugar para aposentados principalmente pela queda no custo de vida no interior e melhoria da infraestrutura nos últimos anos. Entre os principais locais indicados para aposentados no país estão a vila de Dingle, em Kerry, ao sudoeste da Ilha, e a estância vizinha de Ballybunion.

Assim como em outros países da Europa, uma das vantagens de morar na Irlanda é a facilidade de viajar e as constantes promoções de passagens aéreas. Os estrangeiros também elogiam bastante a receptividade dos moradores.

Os índices de criminalidade irlandeses são baixos e a polícia é considerada eficiente. São raros os casos de crimes e manifestações violentas.

O clima na Irlanda é influenciado pelo Oceano Atlântico e não há temperaturas extremas, mantendo uma média de 10°C. No verão a média de temperaturas é mais alta, mas não sobe muito e fica entre 18 e 20°C. No inverno a média é de 8°C, e os meses mais frios são janeiro e fevereiro. Uma coisa importante para ressaltar sobre o clima na Irlanda é que chove muito.

Qual a idade para aposentar na Europa?

A idade para aposentar na Europa varia de acordo com cada país, apesar da maioria dos países adotarem uma idade semelhante. Veja qual é a idade em cada um dos cinco melhores países para aposentar na Europa.

Portugal

Em Portugal é possível se aposentar com no mínimo 15 anos de contribuição e 66 anos de idade.

França

Na França a idade mínima para se aposentar é de 60 a 62 anos, dependendo da data de nascimento, mas o valor do benefício é parcial. Para ter direito ao valor integral é necessário contribuir por mais de 40 anos e é metade do valor pago ao funcionário na ativa. A aposentadoria compulsória é de 70 anos.

Melhores países para aposentar na Europa

Malta

A idade geral para se aposentar em Malta é de 65 anos. Porém, após reformas previdenciárias recentes a idade pode variar de acordo com data de nascimento e sexo.

  • Nascido em 1951 ou anterior: se aposenta aos 61 anos (homens) ou 60 (mulheres);
  • Nascido entre 1952-1955: se aposenta aos 62 anos (homens e mulheres);
  • Nascido entre 1956-1958: se aposenta aos 63 anos (homens e mulheres);
  • Nascido entre 1959-1961: se aposenta aos 64 anos (homens e mulheres);
  • Nascido em 1962 +: se aposenta aos 65 anos (homens e mulheres)

Espanha

A Espanha está passando por um momento de transição da idade para se aposentar. Entre 2013 e 2027 a idade está passando de 65 para 67 anos. Aqueles que contribuíram por no mínimo 35 anos e possuem 65 anos podem se aposentar e continuar trabalhando recebendo metade do benefício.

Irlanda

Em 2021, a idade de aposentadoria na Irlanda é de 66 anos. Porém, a previsão é que ocorra um aumento na idade nas próximas décadas e até 2028 chegue a 68 anos.

Qual o valor da aposentadoria na Europa?

Em países desenvolvidos a renda média de um aposentado pode equivaler à metade dos últimos salários, mas existem exceções. Como na Inglaterra, onde a aposentadoria média é de 21% do salário integral.

Em geral, o valor da aposentadoria depende do tempo de contribuição para a previdência e da idade do aposentado. Porém, cada país possui as suas regras, um tempo mínimo de contribuição e idade.

Como é feito o cálculo da aposentadoria?

O cálculo do benefício leva em conta a pensão que o trabalhador teria direito caso cumprisse o tempo de contribuição total, conhecido como montante teórico. Esse montante é ajustado conforme o tempo de contribuição real nos países em que o profissional atuou (prestação proporcional), que será o valor do benefício.

Se o trabalhador tiver direito à pensão independente do tempo de contribuição, será calculada uma pensão nacional, chamada “prestação autônoma”. Assim, o sistema de pagamento de aposentadorias compara a prestação proporcional com a prestação autônoma e paga o benefício com maior valor ao aposentado.

O benefício do INSS brasileiro pode ser recebido normalmente na Europa. Porém, a Receita Federal e o Governo Federal cobram uma taxa de 25% para pensões e aposentadorias recebidas no exterior, a partir do momento que você realiza a declaração de saída definitiva do país.

Vantagens de viver aposentado na Europa

Além de ter uma experiência no exterior, viajar pelo continente e se aventurar, viver em um país da Europa têm muitas vantagens. Entre elas estão:

  • Qualidade de vida elevada;
  • Nível de segurança satisfatório na maioria dos lugares;
  • Bom sistema de saúde e muitas vezes, acesso gratuito aos cidadãos;
  • Indicador de poluição baixo;
  • Riqueza cultural.

Envelhecer em uma sociedade europeia contemporânea proporciona liberdade, autonomia e independência aos idosos. Em alguns países europeus como Portugal, por exemplo, existem programas especialmente voltados para idosos, pensando na qualidade de vida dessa parcela da população.

Além de ter qualidade de vida, segurança e saúde, os idosos têm acesso a programas de lazer muitas vezes gratuitos e um custo de vida razoável que permite ter uma vida confortável.

Aposentados brasileiros podem morar na Europa legalmente?

Sim, existem algumas formas de viver legalmente na Europa como aposentado. As possibilidades vão variar de acordo com o país, que pode ter visto especialmente voltado para aposentados ou algum tipo de visto que o aposentado se encaixe. Vamos falar sobre as regras dos cinco melhores países para aposentar na Europa.

Portugal

Portugal oferece um visto de residência para aposentados que consigam comprovar renda de pelo menos um salário mínimo português (pouco mais de 665 euros – em 2021), acrescido do valor de meio salário para casais (998 euros).

O governo português ainda tem o programa Residente Não Habitual (RNH), que isenta os aposentados estrangeiros por 10 anos dos impostos do país. Para ter direito a esse benefício é necessário comprar ou alugar um imóvel e residir por ao menos 180 dias por ano lá. Também é preciso que o solicitante não tenha morado em um território português nos cinco anos anteriores ao pedido.

França

Ao atender requisitos como comprovação de aposentadoria, condições de subsistência, comprovantes de local para estadia e um seguro viagem válido para todo o território Schengen, é possível solicitar o visto francês. Não existe um visto específico para aposentados, mas a alternativa é um visto de visitante de longa duração (long séjour visiteur).

Este visto também é obtido por estudantes que vão fazer um curso na França e com ele não é permitido trabalhar. Por isso, é uma opção interessante para aposentados.

Malta

Para quem deseja residir em Malta sem estar ligado a trabalho ou estudo, que geralmente é o caso dos aposentados, o visto de autossuficiência é a melhor opção. Com ele você terá um ID Card, que se equivale a um RG no Brasil.

O visto de autossuficiência é válido tanto para quem tem cidadania europeia quanto para brasileiros sem passaporte europeu. A diferença são os pré-requisitos para aplicação em cada caso.

Para este visto, será necessário um comprovante de subsistência que deve ser feito através do extrato bancário.

Espanha

A Espanha concede visto para aposentados a partir da apresentação de uma renda fixa de aproximadamente 2,2 mil euros e o pagamento de um plano de saúde particular de ao menos dois anos – após esse período, é possível solicitar a cidadania e usufruir do sistema de saúde como cidadão.

O visto concedido neste caso é o de Residência Temporária não Lucrativa, voltado para quem tem renda fixa e não vai realizar atividades econômicas. Normalmente, ele é procurado por quem quer morar na Espanha como aposentado ou pessoas que querem tirar um ano sabático e possuem renda suficiente.

Irlanda

Para aposentados que querem morar na Irlanda é concedido o Stamp 0 (até 90 dias) ou Stamp 3 (mais de 90 dias). Estes vistos para Irlanda são feitos para pessoas que não tem intenção de receber benefícios do Estado e que cumprem alguns requisitos como cobertura de seguro saúde particular e comprovante de subsídio.

Calcular aposentadoria na Europa

Com estes vistos não é possível atuar no mercado de trabalho, abrir um negócio ou estudar até uma data definida pelo oficial de imigração, a menos que o INIS – Serviço Irlandês de Naturalização e Imigração – indique a permissão por meio de uma carta.

Posso acumular pensão de dois países?

Os trabalhadores que se aposentam na Europa têm direito a receber pensão no país onde vivem ou onde trabalharam pela última vez quando atingirem a idade mínima definida pelo país. Isso quer dizer que um trabalhador que mora na Dinamarca e tem 62 anos, mas trabalhou na França por muito tempo, terá direito a receber a pensão apenas quando completar 65 anos, a idade mínima do país.

Um exemplo para você entender como funciona

Vamos supor que um trabalhador atuou 20 anos na França e 10 na Espanha, países onde o tempo mínimo de contribuição é de 15 anos, a pensão nacional vai ser calculada pelos 20 anos que ele trabalhou na França porque atingiu o período mínimo exigido lá. Portanto, o cálculo é feito no país em que você atinge o tempo mínimo.

O montante teórico então seria como se ele tivesse trabalhado 30 anos na França. É importante ressaltar que apenas a entidade francesa poderá fazer o cálculo porque o funcionário não atingiu o tempo mínimo de contribuição na Espanha.

Transfira o dinheiro da maneira mais barata

Você pode enviar o dinheiro da sua aposentadoria para a Europa por transferência bancária, mas pode também usar plataformas que barateiam os custos da transação. Conheça três delas.

Remessa Online

Recomendada pela equipe do Euro Dicas, a plataforma Remessa Online oferece baixo custo de operação (custo da operação de 1,3%, IOF de 0,38% a 1,1%, de acordo com o motivo da sua remessa, mais a tarifa bancária fixa de R$ 5,90 para valores maiores que USD 150 e totalmente gratuita para valores maiores que USD 1.500). Você ainda pode fazer uma simulação no site para conferir quanto pagará pela transação. O dinheiro chega à conta em um dia útil.

Wise

Também segura, a Wise (antiga TransferWise), cobra taxas baixas e transparentes e é possível simular no site para saber quanto exatamente pagará pela transação. A comissão da Wise é de 2,52% da quantia a ser convertida mais R$ 1,84 (IOF já incluído). O dinheiro chega ao destino em até dois dias úteis.

Western Union

Pratica taxas mais altas dependendo do país de origem e destino. Você pode fazer uma simulação no site da Western Union para saber o valor a pegar, de acordo com o que precisa. É importante ressaltar que o IOF é adicionado depois, na hora do pagamento. A Western Union ganha com a taxa de transferência e com o câmbio de moedas.

Vale a pena se aposentar na Europa?

De maneira geral, as regras para aposentar no Brasil são mais acessíveis do que na Europa, porque no Brasil os trabalhadores podem parar mais cedo de trabalhar. Mas, os valores e benefícios da previdência da Europa são mais altos, o que pode ser uma grande vantagem para quem busca uma aposentadoria tranquila financeiramente.

Outro ponto é que o trabalhador que se aposentar na Europa apenas terá direito a receber pensão no país onde vive agora ou onde trabalhou pela última vez ao atingir a idade mínima, o que pode complicar um pouco a logística.

O ideal é continuar contribuindo com a previdência brasileira ao se mudar para garantir ao menos uma aposentadoria, principalmente se você já tiver bastante tempo de trabalho. E dependendo dos seus planos e do tempo que vai trabalhar na Europa, é vantajoso contribuir e aposentar-se por lá.

Se aposentar na Europa, seja legalmente por lá ou usufruindo do seu benefício daqui, com certeza vale a pena. Morando na Europa você vai conhecer lugares novos, fazer amigos e quem sabe até aprender um novo idioma.

Ficou interessado em aposentar na Europa? Então você também vai gostar do nosso Ebook Sonho de Viver na Europa. Um livro do Euro Dicas com depoimento de diversos brasileiros que contam as dores e as delícias de ser um imigrante brasileiro no velho continente, vale a pena!