Estudar fora pode ser uma ótima opção para quem busca uma experiência acadêmica diferente. Se o seu objetivo é estudar na Itália, você está no lugar certo. Aqui, explicaremos como realizar esse sonho, como driblar as dificuldades e, claro, se vale a pena ou não fazer essa opção. Buona lettura!

Como estudar na Itália?

A primeira pergunta que você deve ter feito foi, claro, de que maneira você poderia realizar essa experiência, certo? Bom, saiba que a Itália, assim como o Brasil, é um país bastante burocrático.
Para poder estudar na Itália, o cidadão brasileiro precisará pedir o visto de estudante e, uma vez no país, deverá ir até os Correios (Poste Italiane) e solicitar o Permesso di soggiorno per motivi di studio.

Como estudar na Itália com cidadania italiana?

Estudar na Itália com a cidadania italiana é uma grande vantagem! Primeiramente, os cidadãos estrangeiros que também são cidadãos italianos são considerados como tais. Em segundo lugar, você não precisar do visto de estudos e nem do Permesso di soggiorno. Afinal, você é italiano “a tutti gli effetti”!
Neste caso, você será considerado como um cidadão italiano que completou os estudos (neste caso, os ensinos fundamental e médio) no exterior. Desta forma, você precisará, obrigatoriamente, traduzir toda a documentação escolar.
estudantes brasileiros na Itália

E cidadania europeia?

Caso você seja titular de outra cidadania europeia, saiba que também neste caso você está isente de visto e permesso. Os cidadãos europeus podem morar na Itália sem nenhum problema, assim como estudar.
Caso você seja cidadão europeu e tenha completado os estudos no Brasil, lembre-se de traduzir toda a documentação necessária do português para o italiano. Como fazer isso? Explicaremos mais adiante!

Como estudar na Itália sem cidadania italiana?

Estudar na Itália sem cidadania italiana é um pouquinho mais complicado, mas não impossível! Tenha em mente que uma das coisas mais importantes é consultar o site da universidade e do curso desejados. Saber a documentação necessária, calendário e como entregar todos os documentos vai te ajudar a não perder nenhum prazo.

Passo a passo para estudar na Itália

Lembre-se sempre que o ano acadêmico na Itália – e na Europa em geral – começa entre meados de setembro e o começo de outubro, e as pré-inscrições nas universidades italianas são feitas durante os meses de maio e junho via Consulado ou Embaixada.
Portanto, a nossa dica é começar a se organizar um ano antes da sua mudança. O calendário é disponibilizado no site Studenti stranieri do MIUR.
“Ok, e por onde começar?”

1. Defina o curso e a universidade

Um jeito interessante de começar pode ser avaliar a cidade, se muito cara ou muito caótica, se muito calma ou muito pequena etc. A seguir a qualidade do curso e da faculdade,  disponível no ranking anual do Instituto Censis. E se a universidade escolhida oferece bolsas de estudos, orientação acadêmica, etc.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é a Wise. É seguro, rápido e fácil de utilizar.

Ver Cotação →

Como escolher o curso e a universidade?

Para escolher o curso, é interessante consultar o site Universitaly, do Ministério da Educação (chamado de MIUR: Ministero dell’Istruzione, Università e Ricerca).
O site agrupa todos os cursos disponíveis em todas as universidades italianas, e são separados por cursos universitários, como:

E cursos de pós-graduação, como:

  • Dottorato di ricerca (Doutorado);
  • Scuole di specializzazioni (Pós-gradução lato sensu, por exemplo Especialização médica);

Além de cursos “AFAM“, que englobam:

  • Academia de belas-artes;
  • Conservatórios musicais;
  • Academias de arte dramática;
  • Academia de dança.

O site também disponibiliza um mapa das universidades e institutos superiores. É um ótimo modo para conhecer a geografia do país através das próprias instituições!

2. Separe a documentação necessária

Para se matricular nas universidades italianas, é obrigatório apresentar:

  • Histórico escolar do Ensino Médio;
  • Certificado de conclusão do Ensino Médio;
  • Histórico escolar do Ensino fundamental;
  • Certificado de conclusão do Ensino fundamental.

Todos os documentos deverão ser traduzidos por um tradutor juramentado e ter a Apostila de Haia.
Atenção: caso você tenha acumulado somente 11 anos de estudos, é necessário também traduzir e apostilar o certificado de conclusão da pré-escola ou da conclusão do primeiro ano completo da universidade. É importante ter completado 12 anos de estudos: esse é o número de anos necessário para poder se matricular no ensino superior no país.

3. Faça sua inscrição

Cada universidade tem seus próprios processos de inscrição nos cursos. É essencial realizar a inscrição para, posteriormente dar entrada no pedido de visto.
Outro ponto importante é consultar o Consulado italiano (ou Embaixada italiana) mais próximo a sua residência. Isso porque, além do visto de estudos, o governo italiano requer também a pré-inscrição, como mencionado anteriormente.
escolher curso para estudar na Itália

Quanto custa para estudar na Itália?

Podemos dizer que a Itália é um dos países menos caros para estudar na Europa, ao lado de Portugal e Espanha.

As universidades na Itália não são gratuitas?

É importante lembrar que as universidades na Itália não são gratuitas. Isso mesmo. Não existem mensalidades, mas sim taxas anuais, que são calculadas com base na renda de cada núcleo familiar.
Tais taxas não são fixas. Elas seguem a ideia de que quem tem mais condições financeiras, paga mais, e quem tem menos, paga menos. É um modo de dar acesso à educação superior pública para todos.

Preço médio para estudar na Itália

Além da renda de cada família, as taxas mudam de universidade para universidade.
Vejamos os exemplos:

Curso Universidade Tipo de instituição Taxa anual
Engenharia Politecnico di Milano pública 3.726€
Letras Università di Padova pública 2.944€
Medicina veterinária Università di Perugia pública 800€
Economia LUISS privada 11.440€
Relações Internacionais Università di Torino pública 2.906€
Arquitetura IUAV Venezia pública 2.778€
Mestrado em Políticas públicas Università Cattolica del Sacro Cuore di Milano privada 3.520€

O custo de vida vai depender de cada cidade. Em média, calcula-se uma despesa fixa mensal de 500€ que engloba aluguel, alimentação, contas e gastos em geral.

Isenção de taxas para estudar na Itália

Não se desespere! Existe a possibilidade de você ser isento das taxas anuais.
Se você tem a cidadania italiana, mas a sua família se encontra no exterior, saiba que muitas universidades oferecem a possibilidade de uma taxa anual fixa, uma vez que o núcleo familiar do estudante não é taxado no país.

Bolsa de estudo na Itália

Além do desconto na taxa anual, é possível também concorrer às bolsas de estudo disponibilizadas pelas Agências Regionais de Direito ao Estudo Universitário ou, em italiano, Diritto allo Studio Universitario. Os órgãos são mantidos pelos governos centrais e regionais e oferecem bolsas de estudo, acesso ao restaurante universitário, além de isenção nas taxas universitárias.
As bolsas de estudo na Itália são disponibilizadas a partir de uma atenta análise do imposto de renda da família do aluno – se este não conseguir comprovar que se sustenta há pelo menos dois anos em terras italianas, através do imposto de renda italiano.
Para se inscrever, é necessário controlar o edital de cada órgão e universidade. Grosso modo, os documentos necessários são:

  • Imposto de renda da família detalhado;
  • Demonstração de renda, por exemplo, extrato bancário ou holerite do chefe de família
    documento que ateste a superfície, em m², da sua residência e o valor do imóvel;
  • Carteira de trabalho de todos os membros da família que já tenham completado 18 anos.

Lembre-se, todos os documentos deverão ser apostilados e traduzidos por um tradutor juramentado.
Muitas universidades italianas aceitam o “ISEE-U Parificato“, que seria a declaração de renda dos cidadãos italianos utilizada exclusivamente para calcular as taxas universitárias anuais (“Indicatore della Situazione Economica Equivalente all’Università”). Existem agências fiscais que se ocupam exclusivamente destes documentos, como os CAF.

Como funciona o vestibular na Itália?

A maioria dos cursos é “a numero aperto”, ou seja, são cursos universitários cuja forma de ingresso é livre, sem vestibular (“test d’ingresso”). Normalmente, o sistema de vestibular – chamado de Accesso programmato – é organizado de forma nacional e é obrigatório para cursos como:

Algumas universidades exigem a aprovação em vestibular interno. É o caso do Politecnico di Milano e Politecnico di Torino.
Confira sempre o site das universidades, uma vez que o “test d’ingresso” pode ser necessário em uma universidade e não em outra. Isso porque algumas universidades são mais procuradas do que outras.
Intercambista na Itália

Como estudar medicina na Itália?

De forma geral, a estrutura curricular dos cursos de Medicina na Itália é bem parecida com os cursos no Brasil. Acredito que a única grande diferença seja o objetivo do curso: enquanto no Brasil dá-se importância aos estágios e lado prático do curso – pelo menos nas Universidades públicas -, na Itália os cursos são bem teóricos, deixando a prática para a Especialização.
Estudar Medicina na Itália requer, principalmente, a aprovação no vestibular nacional, organizado pelo Ministério da Educação (MIUR). Exatamente isso: as provas para Medicina são organizadas diretamente pelo Ministério da Educação e não por cada uma das universidades que oferecem tal curso!
É uma prova de múltipla escolha composta por 60 perguntas que abrigam conhecimentos gerais, língua e literatura italianas, literatura mundial, história e geografia (italiana e internacional), língua inglesa, química, biologia, física.
Na hora da inscrição para o teste, o aluno é obrigado a escolher até três universidades (não necessariamente será aprovado na primeira escolha). Tudo vai depender do número de vagas disponíveis em cada universidade, do número de pontos que você tiver feito na prova e, claro, do número de candidatos disputando a vaga com você.
A concorrência é grande, portanto, convém iniciar a estudar um ano antes – como fazemos no Brasil. Caso o aluno seja aprovado, ele será convocado para a matrícula pela Universidade que o tiver aceitado.
Dica: você pode consultar as provas dos anos anteriores no site do MIUR.

Quanto custa um curso de medicina na Itália?

A boa notícia é que as taxas do curso de Medicina – assim como os outros cursos “a numero chiuso” – são as mesmas dos outros cursos! Como já dito anteriormente, as taxas anuais vão depender do imposto de renda de cada família.

É necessário visto para estudar na Itália?

Se você for titular da cidadania italiana ou europeia, o visto de estudos para a Itália não é necessário. Neste caso, o cidadão estrangeiro que seja também cidadão italiano é considerado como tal e não precisará pedir nem o visto e nem o Permesso di soggiorno.
Se você for cidadão europeu, saiba que o visto para estudar na Itália também não é necessário. A mesma regra vale para o Permesso di soggiorno.
Caso você não possua outra cidadania, o visto de estudos é obrigatório para quem vai morar na Itália. Para poder solicitá-lo, você deverá ter se pré-matriculado na Universidade de sua preferência

Onde solicitar

Você deverá solicitar o visto de estudo no Consulado italiano, após ter se pré-matriculado na Universidade desejada, processo esse também efetuado através o órgão.
Os documentos necessários são os mesmos para se inscrever na Universidade, acompanhado de:

  • Comprovante de renda;
  • Confirmação de pré-inscrição na Universidade desejada;
  • Comprovante de conhecimento da Língua Italiana, mínimo nível B2.

Os diplomas de língua italiana que são atualmente aceitos pelo governo italiano são:

  • CELI;
  • CILS;
  • PLIDA.

Você poderá realizá-los no Istituto Italiano di Cultura – caso você more em São Paulo ou no Rio de Janeiro – ou procurar uma escola de línguas que seja habilitada e autorizada a aplicar tais testes. O preço médio é de aproximadamente R$ 600.

Quanto custa

O visto de estudo custa 116€.

Quanto tempo demora

O tempo médio para receber o visto é de 30 a 90 dias para ficar pronto.

Como estudar e trabalhar na Itália?

O visto de estudo para a Itália dá direito – conjuntamente com o Permesso di soggiorno – a trabalhar meio período, ou seja, cerca de 25 horas semanais.
Com o nível de italiano exigido pelas universidades é possível trabalhar na Itália em várias áreas.

Precisa saber italiano para estudar na Itália?

Sim. Precisa saber italiano para estudar na Itália.
A língua italiana é o idioma oficial do país e por esse motivo, é o instrumento de comunicação presente no dia a dia italiano, seja na escola, na universidade, no trabalho, no supermercado.
Isso pressupõe que as provas nas universidades serão ministradas em italiano, com exceção se o curso escolhido por você for lecionado em inglês. O sistema universitário italiano é baseado em provas orais até mesmo em cursos como Engenharia ou Biologia.
Portanto, a minha sugestão é que você estude e aprenda bem a língua e busque sempre interações sociais “reais” e “autênticas” com falantes nativos para ganhar fluência.

Vale a pena estudar na Itália?

Depende da sua intenção. Você pretende morar na Itália definitivamente? Ou para a Europa? Nesses casos, eu diria: sim, vale a pena e muito! Morar e estudar fora é uma experiência de vida, você aprende a entender melhor a sua própria cultura e, claro, a aceitar o “diferente”.
Eu fiz dois intercâmbios na Itália e, após tais experiências “passageiras”, decidi que o momento para se mudar para o país da bota tinha chegado.
Em Perúgia, cursei a Laurea magistrale (Mestrado) em Comunicação política e digital. Foi, decerto, uma experiência única, a qual ajudou no meu crescimento pessoal e profissional, além de, claro, ter melhorado muito o meu conhecimento da língua italiana.
Independentemente da sua escolha, o importante é estar pronto para enfrentar as dificuldades e delícias de morar em outro país!
Se você ainda tem receio ou não se sente preparado para a mudança, recomendamos a leitura do ebook O Sonho de Morar na Europa, que reúne histórias de brasileiros que decidiram emigrar. Eles compartilham um pouco suas experiências, descobertas e concelhos para quem deseja mudar para o Velho Continente.
Quer ficar por dentro de todas as nossas dicas? Assine nossa newsletter.