Quer saber como estudar na França?  Confira o nosso guia completo com todas as informações, desde o processo de candidatura até os custos de um estudante no país.

Vamos lá?

Como estudar na França: guia completo 2021

A França é um dos destinos europeus favoritos para quem busca uma formação acadêmica. Além dos benefícios oferecidos pelo governo, os estudantes contam com mensalidades mais acessíveis e uma grande variedade de bolsas de estudo. Além de outros benefícios de morar na França. Por isso, se você deseja ingressar no ensino superior na Europa, esta pode ser a escolha certa.

Os interessados em estudar na França precisam ter essas duas palavrinhas na ponta da língua: Campus France. Esta é a agência oficial do governo francês responsável pela promoção do ensino superior no país. Ou seja, é ela quem faz o intermédio entre os candidatos estrangeiros e as instituições de ensino.

O que é preciso para estudar na França

Todos os anos, entre novembro e março, os interessados podem construir seu dossiê – é como chamamos o conjunto dos documentos exigidos para a candidatura em uma universidade francesa – e submetê-los ao Campus France, que vai conduzir o processo.

Mas, atenção: para se candidatar via Campus France, você não pode:

  • Ter nacionalidade francesa;
  • Ser intercambista de um programa entre uma instituição de ensino brasileira e uma francesa;
  • Ter um Baccalauréat français – o diploma de conclusão de ensino médio da França;
  • Ter a intenção de estudar em uma instituição que não seja pública – escolas de arte e gastronomia, universidades católicas ou qualquer outra que não seja uma universidade pública;
  • Ser candidato aos diplomas BTS (Brevet d’études supérieures), CPGE (Classe Préparatoire aux Grandes Écoles) e MANAA (Mise à niveau en arts appliqués).

Candidatura no Campus France

Se nenhuma das exceções acima se aplicam ao seu caso, o caminho é mesmo o Campus France. E, por sorte, o processo é simples. Confira:

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Envie dinheiro com toda a segurança, rapidez e melhor taxa de câmbio. Atualizamos a melhor entidade diariamente, faça já a sua simulação!

Cotar Agora →
Precisa enviar dinheiro para outro país?

Depois de testarmos as principais alternativas do mercado (Paypal, Western Union, Moneygram, etc), a plataforma que nós recomendamos é a Wise. É seguro, rápido e fácil de utilizar.

Ver Cotação →

1. Candidatar na Études en France

O primeiro passo é se cadastrar na plataforma Études en France, no Campus France Brasil.

Lá, você vai criar seu dossiê e carregar seus documentos. O processo é feito inteiramente online. Nesta etapa, é necessário atenção, porque alguns documentos precisam ser anexados com a tradução juramentada.

Alguns dos documentos – como carta de recomendação e currículo – são apontados como opcionais, mas podem pesar muito na sua aceitação. Aconselho a anexá-los ao dossiê para aumentar suas chances de receber o tão sonhado sim.

2. Registrar os cursos desejados

Depois de preencher suas informações e completar o seu cadastro, você deverá registrar os cursos para os quais deseja se candidatar. A dica aqui é pesquisar bastante as universidades, os programas e os horários que mais se encaixam com o seu perfil antes de selecioná-los.

3. Submeter o dossiê

Tá tudo completinho? Então, é hora de submeter seu dossiê. Após enviá-lo, você receberá a fatura de R$ 520 que deverá ser paga ao Campus France.

Depois disso, a agência vai validar o seu dossiê e agendará a entrevista de candidatura.

4. Fique de olho no seu email

Após realizar a entrevista, o dossiê será finalmente enviado às instituições de sua escolha. Aí, basta ficar atento ao seu e-mail. Uma vez aprovado, você terá acesso aos papéis necessários para a sua entrevista no consulado francês, para solicitar o visto de estudante.

Todo esse processo é destinado aos brasileiros residentes no Brasil. Se você já mora na França, a candidatura funciona de uma maneira diferente, porque realizamos o processo diretamente com as instituições.

Documentos necessários para se candidatar

Os documentos necessários para se candidatar a um dos cursos são:

  • Certidão de nascimento;
  • Passaporte;
  • Currículo redigido em francês;
  • Histórico do ensino médio com as notas obtidas (com tradução juramentada);
  • Comprovante de aceite de uma instituição brasileira de ensino superior reconhecida pelo MEC;
  • Teste de proficiência em francês – DELF B2, DALF C1 ou C2, TCF-TP com expressão escrita, TCF Capes ou TCF DAP.

Alguns candidatos entram em exceções e deverão enviar documentos extras. Estes são:

  • Os candidatos aos cursos L2 e L3, é exigido também um documento com as notas oficiais obtidas no L1 (ou o período cursado no Brasil), com tradução juramentada;
  • Os candidatos ao curso de arquitetura devem enviar um portefólio físico, em formato obrigatório A4, de no máximo 15 páginas. O material deverá ser encaminhado ao Campus France via correio;
  • Os candidatos ao mestrado na França deverão anexar ao dossiê o diploma de graduação e as notas obtidas durante o curso.

É possível usar o Enem?

Você pode utilizar as notas do ENEM para mostrar o nível de desempenho no teste. Mas, para se candidatar a uma universidade pelo Campus France, você precisa de um aceite de uma instituição brasileira de ensino superior reconhecida pelo MEC.

Como escolher o curso para estudar na França?

Encontrar um curso é sua principal tarefa quando o assunto é estudar na França. Afinal, sem ele, não existe candidatura. Por isso, vamos falar sobre como a busca pode ser feita. Aqui, a dedicação e a atenção são fundamentais.

Graduação

Se você está em busca por cursos de graduação, o catálogo do Campus France apresenta todos eles. É um ótimo lugar para começar a sua busca. Você também pode pesquisar as instituições mais reconhecidas no país.

Pós-graduação

Para os candidatos a mestrados, doutorado, MBA,e outros tipos de cursos pós-graduação, além do catálogo do Campus France, também é possível acessar o site Trouve mon Master.

Intercâmbio

Quer fazer um intercâmbio para a França, mas não quer necessariamente embarcar em uma graduação ou uma pós? Os intercâmbios são uma opção. Na maioria das vezes eles são realizados a partir de acordos de cooperação entre a instituição de ensino brasileira e francesa.

procurando curso para estudar na França

Mas, atenção: sem o vínculo com uma universidade, você não poderá trabalhar com o visto de estudante no país. Por isso, a organização financeira deverá ser repensada para que consiga arcar com os gastos de outra maneira.

Curso de francês

Se o seu objetivo é estudar francês, uma opção pode ser a modalidade DUEF – Diplôme Universitaire d’Etudes Françaises. Ministrados em universidades, eles oferecem ótimas ferramentas para a compreensão do idioma, além de aulas sobre a história e a cultura local.

Au Pair

O programa Au Pair é uma ótima alternativa para quem quer uma porta de entrada para o país. Por meio do intercâmbio, você troca serviços de babá por acomodação, alimentação em uma casa francesa e uma mesada. Foi assim que eu entrei no país e, graças ao programa, visitei vários lugares da França, tive a oportunidade de aprender francês e pude conhecer melhor as universidades para as quais vou aplicar para o mestrado.

Vale lembrar que, ao optar pelo Au Pair, você não terá o visto de estudante. Desde 2019, o governo francês criou um visto especial para esta modalidade.

Como escolher a universidade para estudar na França?

Para escolher a universidade que mais se encaixa em seu perfil acadêmico, vale a pena pesquisar o ranking das melhores universidades na França.

Além disso, considere também o tipo de cidade em que prefere morar, pesquise quais delas oferecem o curso que você quer fazer e leia atentamente o programa que cada uma delas oferece. Assim, você escolherá a opção mais vantajosa.

Melhores universidades da França

Anualmente, o Time Higher Education elege o ranking das melhores universidades do mundo. A seguir listamos as 10 melhores instituições francesas elencadas em 2021:

  • Paris Sciences et Lettres – PSL Research University Paris;
  • École Polytechnique;
  • Sorbonne University;
  • University of Paris;
  • Paris-Saclay University;
  • Télécom Paris;
  • École des Ponts ParisTech;
  • École Normale Supérieure de Lyon;
  • Montpellier University;
  • Aix-Marseille University.

Quanto custa estudar na França?

Quando o assunto é custo de vida na França, devemos ir por partes. Então, primeiro, vamos começar pelo mais importante: a mensalidade.

O Governo Francês decretou o aumento dos custos nas instituições de ensino francesas para imigrantes. As mensalidades, que costumavam ser de 170€, 243€ e 380€ – valores referentes à graduação, ao mestrado e ao doutorado, respectivamente – passaram a custar 2.770€ e 3.770€ – para graduação e mestrado, respectivamente. O doutorado segue sem alteração no valor de 380 euros.

No entanto, ainda é possível encontrar universidades, como a Paris 8 e 10, por exemplo, que se recusaram a aumentar as taxas.

Além do valor pago para estudar, ainda temos que levar em conta o Navigo – cartão de transporte para a região parisiense – ou o cartão da região em que vai estudar. A boa notícia é que estudantes até os 26 anos possuem um desconto para jovens.

Custo de vida na França para estudantes

Quando falamos sobre o custo de vida na França – principalmente em Paris -, precisamos admitir que a maior dificuldade é o aluguel. Aqui, é comum que as pessoas dividam apartamentos com amigos ou parceiros mesmo após a graduação para não arcarem sozinhos com os custos de uma casa.

Para poupar nesse quesito, indico pesquisar quartos e residências estudantis. Pode ser complicado encontrar uma que valha a pena, mas é uma opção mais acessível para quem não consegue se comprometer a pagar um aluguel sozinho.

A alimentação e o transporte são mais acessíveis se você sabe aproveitar os descontos para estudantes. Aliás, o lazer também entra nessa seleção. Muitos estabelecimentos oferecem valores reduzidos para estudantes na França.

Uma previsão de custos para um estudante econômico seria:

Despesa Preço
Aluguel (dividido com outros estudantes) 400€
Internet e telefone 10€
Alimentação (supermercado) 250€
Transporte 29,20€
Lazer (cinema, academia, restaurante e passeios) 100€
Total 789,20€

No geral, desde que você se planeje financeiramente, é possível viver com cerca 800 euros mensais em Paris e até menos em cidades como Toulouse e Nice. Mas você vai precisar procurar bem as acomodações compartilhadas e ter em mente os supermercados e lojas mais econômicas.

Como estudar na França com bolsa

Apesar do alto custo de vida, a França continua sendo a escolha de muitos estudantes internacionais. Isso porque o país oferece cerca de 200 tipos de bolsas. Elas se dividem entre as voltadas para exatas, humanas, evolução acadêmica, profissionalizante, por exemplo. Ou seja: tem para todos os perfis acadêmicos.

Além do auxílio à anuidade, as bolsas de estudo na França costumam ajudar ainda com auxílio moradia e até transporte. Para encontrá-las, acesse a plataforma Campus Bourses e se jogue nas pesquisas. Você pode filtrar as ofertas por nacionalidade, o que facilita a sua busca.

Uma dica aqui é pesquisar bem a bolsa e a instituição e caprichar na carta de motivação. Ela é muito importante aqui na França.

É possível trabalhar e estudar na França?

Sim, é possível!

Mas para isso, é preciso seguir algumas regras. De acordo com o Campus France, para trabalhar e estudar na França você precisará:

  • Possui um visto de esrudante VLS-TS e já ter realizado as formalidades administrativas junto ao OFII (Office Français de l’Imigration et de l’Intégration);
  • A empresa em que você vai trabalhar precisará assinar um contrato de trabalho e realizar algumas formalidades legais junto aos organismos franceses responsáveis;
  • Trabalhar no máximo 964 horas anuais (correspondente a 60% da jornada de trabalho normal).

Quem trabalha com visto de estudante na França, terá garantido pelo menos o salário mínimo do país.

Visto de estudante na França

Agora que já contei tudo sobre o processo, mostrei como encontrar o seu curso e sua universidade e falamos sobre o custo de vida e bolsas de estudo, chegou a hora de falar do visto de estudante. Lembre-se que você só pode solicitá-lo depois de ter o aceite de uma instituição.

Documentos para solicitar o visto

  • Passaporte com validade mínima de 3 meses após o fim do período previsto na França;
  • Formulário de pedido de visto de longa duração devidamente preenchido;
  • Duas fotos 3×4 – elas devem seguir o padrão exigido pelo Consulado da França;
  • Certidão de nascimento e/ou de casamento;
  • Pré-inscrição ou inscrição em um estabelecimento universitário (com as datas de início e fim do curso) ou privado ou de curso de francês com carga horária mínima de 20 horas semanais reconhecido pelo Ministério Francês da Educação Nacional;
  • Comprovante de estadia mínima de 90 dias em um hotel ou em um imóvel ou uma carta convite de alguém que resida na França, acompanhada do comprovante de residência e da cópia da “carte d’identité”/ ou passaporte;
  • A comprovação de um valor mínimo de 615€ por mês para se manter na França.

Para comprovar o valor, você pode mostrar os extratos bancários dos três últimos meses com a entrada de pelo menos 615€ mensais, apresentar um documento alegando que alguém vai arcar com esse valor por você – a pessoa terá que apresentar os comprovantes bancários para provar que é capaz de honrar o compromisso financeiro – ou, ainda, pode ainda mostrar um contrato de trabalho que confirme que você receberá, pelo menos, 615€ mensais.

visto de estudante na França

Onde pedir o visto de estudo francês?

Já tem todos os documentos em mãos? Agora é a hora de agendar sua entrevista no consulado. No Brasil, existem três deles, que dividem os atendimentos entre si. Funciona assim:

Os habitantes de Minas Gerais devem passar no consulado honorário da França em Belo Horizonte antes de agendar a entrevista no Rio de Janeiro.

Quanto custa o visto?

Além da taxa cobrada pelo Campus France, o candidato deve pagar 50€ ao realizar o pedido do visto no consulado – esse valor será cobrado ao fim da sua entrevista consular.

Ao chegar na França, também é necessário pagar 60€ para a validação do visto de longa duração junto ao governo francês.

Quanto tempo demora para sair o visto para a França?

Os vistos para a França costumam levar entre 10 e 15 dias para serem emitidos. Então, esta etapa do processo é rápida.

Lembre-se de que a entrevista no consulado só pode ser realizada com, no máximo, 2 meses de antecedência.

Precisa validar diploma se for voltar para o Brasil?

Sim. Qualquer diploma estrangeiro para ter validade no Brasil precisa ser revalidado.

Assim, é preciso realizar o processo em uma instituição de ensino credenciada brasileira. O diploma deve apresentar com a tradução juramentada, entretanto, é dispensada a Apostila de Haia, uma vez que os países possuem acordo para reconhecer a legalidade de documentos emitidos por instituições de ensino.

Para fazer a tradução juramentada do seu diploma, recomendamos a plataforma Yellowling, que oferece serviços de tradução profissional, com custo acessível, orçamento online e sem burocracias.

Desta forma, para fins profissionais ou acadêmicos pode ser exigida a revalidação do diploma para que o grau obtido na França tenha validade.

Entrevista com estudantes brasileiras vivendo na França

Como vimos, o processo para estudar na França pode ser um pouco longo. Além disso, temos a questão do custo de vida e do formato acadêmico, que podem ser diferentes dos brasileiros. Para ajudar você a compreender melhor esse universo, convidei duas amigas universitárias para contar um pouco sobre suas experiências e dar dicas que vão te ajudar a se preparar melhor.

Maria Alice França está cursando o mestrado de Management Stratégique (Gestão Estratégica) no formato EAD. Ela vive em Bordeaux, mas optou por um curso em Paris. Atualmente, ela concilia os estudos com o trabalho de Au Pair. Para acompanhá-la, você pode segui-la no instagram: @mariiafcampos.

Letícia do Valle está cursando o mestrado de Ciências Políticas no formato presencial. Ela vive em Paris e atualmente concilia os estudos com um estágio em uma ONG. Letícia já realizou um intercâmbio como bolsista Santander na Espanha e hoje ajuda outras pessoas a conquistarem uma bolsa de estudos em seu instagram: @letsnomundo.

Agora que as apresentações foram devidamente feitas, vamos às perguntas:

Quais são as diferenças entre o sistema de ensino na França e no Brasil?

Maria Alice: “No Brasil, eu fiz a graduação presencial. Aqui, faço o mestrado EAD. Então, não existe uma comparação muito justa. Mas acho que, na França, temos incentivos do governo para estudar. Temos acesso à cultura, transporte mais barato, facilidade com a candidatura às bolsas de estudo… É diferente estar em um país que investe tanto em educação.

Já sobre as faculdades, considero que aqui existe uma maior desorganização quando comparo com a minha experiência no Brasil. Uma outra diferença é que aqui, para cursar um Master de dois anos, você precisa se candidatar para o M1 e para o M2 – primeiro e segundo ano do mestrado na França -, não é um único processo. O mesmo acontece com a Licença – o equivalente à graduação brasileira -, que é dividida em 3 módulos e você precisa seguir se candidatando para finalizar todas as etapas do estudo.”

Maria Alice estudante
Maria Alice faz mestrado de Management Stratégique e concilia os estudos com o trabalho de Au Pair

Letícia: “Aqui, vejo uma preocupação das instituições e do governo com os estudantes. Nos sentimos acolhidos. Principalmente agora, em meio a uma pandemia, eu tiro o chapéu para as medidas que estão sendo tomadas. Um exemplo do apoio foi a ajuda emergencial que consegui em novembro e também em fevereiro. Fui ao órgão responsável, mostrei meus boletos e a minha conta bancária e, sem burocracia, recebi o auxílio de 500€ em cada uma das ocasiões.

Uma outra diferença é que na França os alunos não são incentivados a procurar um estágio ou um trabalho enquanto se dedicam aos estudos. Aqui, os cursos são estruturados para que os estágios obrigatórios sejam realizados enquanto o aluno não está tendo aula. É comum ver pessoas fazendo trabalhos esporádicos em restaurantes ou como babysitters para arcar com as despesas, mas não estágios ou trabalhos formais que exigem tempo de dedicação.

Quando fiz entrevista para o meu estágio, me lembro da entrevistadora me perguntar várias vezes se realmente o queria e se conseguiria conciliar os estudos com as atividades.”

Quais são as vantagens de estudar na França?

Maria Alice: “Ter um diploma europeu, uma experiência internacional e um novo idioma são vantagens de estudar aqui. Além disso, quando você estuda na França, é mais fácil encontrar um trabalho. A própria faculdade compartilha vagas com a gente, nos ajuda com as empresas parceiras.

Poder ter a possibilidade de pedir a residência depois de cursar dois anos de Master aqui também é um bônus.”

Letícia: “O apoio financeiro, a oportunidade de dominar um outro idioma, o acolhimento das instituições e a possibilidade de conseguir uma bolsa de estudos. Essas são algumas das vantagens.”

Quais são as desvantagens de estudar na França?

Maria Alice: “Não é exatamente uma desvantagem, estudar em outro idioma é bom, mas também pode ser um obstáculo. Um exercício que faria em uma hora no Brasil, aqui faço em duas ou três. Então, aconselho as pessoas que querem vir como estudantes a se dedicar ao estudo do idioma ainda no Brasil. Vai ajudar muito.”

Letícia: “Eu sinto que aqui, no meu curso, tem um nível hierárquico maior na sala de aula. No Brasil, era mais próxima dos meus professores, aqui eles são mais distantes.”

O que você acha do custo de vida na França?

Maria Alice: “Acho que é caro. Aqui, um estudante precisa de, no mínimo, 600€ mensais para sobreviver. Por isso eu escolhi continuar no Au Pair enquanto fazia o curso. Precisava de estabilidade, principalmente com a pandemia.”

Letícia: “O custo de vida aqui é alto. Se manter aqui enquanto faz faculdade é difícil porque, além do esforço físico de trabalhar e estudar, você precisa de planejamento financeiro. Tem opções de moradia acessível, mas é difícil encontrar. E o aluguel é caro.

Hoje em dia, eu aconselho as pessoas a virem com um valor que, caso não consiga um trabalho temporário por seis meses, você ainda consiga pagar suas contas e se manter aqui.”

Leticia Valle estudante
Letícia Valle faz mestrado em Ciências Políticas e concilia os estudos com um estágio em uma ONG

Na sua opinião, é possível conciliar o trabalho com os estudos?

Maria Alice: “Depende do seu trabalho. Eu sou Au Pair e tenho uma família com um horário fixo e flexível. Além disso, meu curso é EAD. Então, consigo fazer os estudos quando posso. Isso ajuda muito.

Se você é uma Au Pair ou quer fazer o programa enquanto estuda, acho que também é importante pensar se você mora ou não com a família, se terá privacidade e um ambiente silencioso para estudar. Isso conta muito.”

Letícia: “Trabalhar na França ao mesmo tempo em que se estuda aqui é difícil e cansativo. O que muitos estudantes fazem é trabalhar no verão – em junho, julho e agosto – e guardar o dinheiro para se manter durante o resto do ano. Em 2020, eu trabalhei como garçonete em um restaurante e juntei 3 mil euros em dois meses. Com esse dinheiro, me mantive pelo resto do ano, mas segui fazendo babysittings para arcar com os custos da vida aqui.”

Quais dicas você daria para quem quer estudar na França?

Maria Alice: “Tente aprender o que der de francês no Brasil. Acho que vale a pena também fazer um ano de Au Pair, porque além de aprimorar o idioma, você consegue conhecer melhor o país, descobrir como conseguir um trabalho em um restaurante ou como babysitter, por exemplo. Descobre como se manter.

Também aconselho se dedicar muito a sua carta de recomendação e a carta de motivação. Mostre o que você quer, fale de trabalhos voluntários, dos esportes que pratica. Isso também tem peso aqui na França.”

Letícia: “Depende da situação de cada um. Se você tem ou não uma boa base financeira, se conseguiu adquirir um bom nível de francês no Brasil ou não. É muito individual.

No geral, aconselho a focar no idioma, porque é diferente conversar em francês com um amigo e ter que fazer provas, estudar, ler textos mais complexos. Se você quer fazer arquitetura, por exemplo, escute podcasts da área, pesquise textos, se familiarize com o vocabulário. É muito importante.

Sobre a candidatura, eu aconselho a ficar atento às datas do Campus France e acompanhar as instituições que têm interesse. Faça uma boa pesquisa, veja os programas de cada universidade, pesquise os lugares onde gostaria de estudar. Esse processo é importante também para a carta de motivação, que considero o documento mais importante da candidatura. Você precisa fazer uma carta personalizada para cada lugar, e é aí que entra a pesquisa. Mostre que você conhece o programa, que realmente tem interesse pela instituição.”

E aí, gostou das dicas para estudar na França? Agora é com você. Se dedique e comece a planejar o seu período de estudos no país. Para inspirar ainda mais no processo, lançamos o ebook O sonho de viver na Europa, que reúne histórias e experiências de brasileiros em vários países do continente.